O Bom de Viver.com.br

Início » TERAPIA COGNITIVA

Arquivo da categoria: TERAPIA COGNITIVA

Às vezes não dizer nada já diz tudo

Praticamente todos os dias eu me lembro de uma das mais célebres frases atribuída ao grande Leonardo da Vinci que diz assim: “A simplicidade é o último grau de sofisticação”. Você sabia que quando ele disse essa frase não estava se referindo apenas ao que fosse operacional e prático? Ele estava se referindo, talvez, acima de tudo, ao nosso comportamento, à postura das pessoas sábias. Quanto mais sábia é uma pessoa, mais simples ela é, e opta por fazer tudo de um jeito que não traga estresse, dificuldades, não gere conflitos, mágoas ou ressentimentos com ninguém.

Esses dias eu estava refletindo sobre um comportamento que está presente em 100% das pessoas, em maior ou menor grau, que são as JUSTIFICATIVAS para aquilo que fazem ou que deixam de fazer. Um dos aprendizados bem difíceis na vida e as pessoas simples são nossas maiores professoras é o dizer NÃO na hora certa, pra pessoa certa e do jeito certo.

Existe um lado dentro da gente que quer agradar a todos, um lado egoico e que precisa ser “domesticado”. Com o passar do tempo e com as experiências de vida que venho acumulando, cada vez mais estou aprendendo que uma das melhores formas de se justificar quando não se quer fazer algo é simplesmente não dizer nada ou falar o mínimo possível! Já pensou que interessante? Por isso que iniciei o texto falando sobre a simplicidade. Essa é uma dica de ouro que estou transmitindo com palavras simples e que de fato não é um bicho de setes cabeças.

A inspiração para escrever esse texto veio a partir da leitura de um pequeno artigo americano que foi traduzido para o site “Mulheres Maduras”. Um trecho dele me chamou bastante atenção.

Eu estou aprendendo que não reagir não significa que eu estou bem com as coisas, e sim que eu apenas estou lidando com elas. Eu estou escolhendo tirar isso como lição e aprender com a situação. Eu estou escolhendo ser melhor. Escolhendo a minha paz de espírito porque é o que eu realmente preciso. Não quero mais drama. Não preciso de ninguém me fazendo sentir que não sou boa o suficiente. Eu não preciso de brigas e discussões. Eu estou aprendendo que, de vez em quando, não dizer nada diz tudo.

Não dizer nada já diz tudo! Se alguém lhe pede algo e você fala o mínimo possível, é porque você não quer fazer. Ponto. Quando se trata de pessoas que a gente não gosta, isso é brincadeira de criança. É muito fácil! Agora quando são pessoas que a gente gosta? Que a gente ama? Que tem profunda consideração por nós? O que fazer? Quero compartilhar as palavras do mestre Rubem Alves, extraídas de sua bela crônica intitulada “Sobre a bonificação” para responder a essa pergunta.

Esse Rubem torturador, que na psicanálise tem o nome de Super-Ego, por vezes se vale de emissários. Seus emissários não são as pessoas que não gostam de mim. Não perco tempo dando ouvidos a quem não gosta de mim. Seus emissários são precisamente as pessoas que gostam de mim. A esses eu ouço. E, por causa do seu amor por mim, eles me pedem: faça isso, faça aquilo, gostamos tanto de você, não nos decepcione. E não adianta eu dizer um “não” manso. Eles não acreditam. Meu corpo diz: “DIGA NÃO!” Mas, porque eles são amigos eu digo sim. Faço o que não quero fazer. Quando isso acontece lembro-me dos versos de Walt Whitman: “Quem anda duzentas jardas sem vontade anda seguindo o próprio funeral vestindo a própria mortalha…” Assim quero no próximo ano aprender a dizer “NÃO” aos que gostam de mim, para que eu possa gostar de mim.

O querido Rubem escreveu essa crônica aos 71 anos de idade e foi bem sincero ao escrever que tinha dificuldade de dizer não aos seus amigos! E sabe de uma coisa interessante? A dificuldade é porque muitas vezes as pessoas nos pedem algo enaltecendo nossas qualidades, enaltecendo o quanto o que já fizemos por elas ajudou-as a crescerem, a terem bons resultados etc. etc.

Existe uma armadilha do EGO nessa questão! Procure entender bem isso. As pessoas atingem nosso lado egoico, daí se torna bem mais difícil dizer não. Então a dica que dou inspirado no Rubem é que ouça a linguagem do coração, ouça o seu corpo! Ele sabe o que é melhor pra você. Ele é o maior sinalizador do nosso bem-estar. Se ouvíssemos mais o que nosso corpo tem para dizer através de uma linguagem altamente sutil, certamente aprenderíamos mais rapidamente a dizer não na hora certa!

Perceba! O nosso ego e também o super-ego estão ligados ao lado mais racional, intelectual, que JUSTIFICA nossas ações. Se aprendermos que silenciar e ser o mais simples possível com as palavras e atitudes é o caminho para transcender esse lado egoico, da próxima vez que tentarem nos pedir algo que seja abusivo diremos: “Sinto muito, mas não posso fazer isso”. Aí nessa hora rebatem dizendo: “Mas você é tão bom, sabe fazer isso melhor do que ninguém blablabla…”.

Então você dá um choque de realidade na outra pessoa dizendo: “Eu não sou único. Há mais de 7 bilhões de pessoas nesse planeta, e certamente isso pode ser feito por outra pessoa, talvez até de forma melhor do que eu…”.

Não precisa se justificar que tem uma reunião no trabalho, ou que precisa levar a sobrinha para o aeroporto, ou que está organizando um chá de panela pra melhor amiga! Basta ser sincero e dizer que nesse momento não pode.

Isso é aliviante, e se você colocar na prática da sua vida, vai aprender a viver com mais plenitude, sem andar 200 jardas seguindo o próprio funeral e ainda vai estar ajudando as pessoas que você ama a encontrar novas saídas e possibilidades para aquilo que vieram pedir a você.

Quero concluir reforçando que esse NÃO é dito naquelas situações de abuso da nossa boa vontade. É lógico que é importante ajudarmos as pessoas que a gente ama quando pedem algo que fará bem a elas. Afinal, servir é uma das maiores virtudes na vida. Mas serviço só vale a pena acompanhado de consciência.

Pense com carinho sobre tudo isso…

Entenda suas emoções. A mudança acontece

Você já parou para pensar porque não consegue mudar comportamentos repetitivos?

Tirando sua liberdade de viver da forma que você quer?

Sabe porque você é um prisioneiro das suas emoções?

Aprenda a pensar.

Entenda suas emoções.

A mudança acontece.

TERAPIA COGNITIVA , para mudar vícios emocionais. (mais…)

Quanto tempo você tem?

Quanto tempo você tem…

Para deixar de buscar a Felicidade em outras pessoas e descobrí-la dentro de você?

Quanto tempo você tem…

Para soltar a Raiva e colocar limites nas suas relações, sem precisar machucar ninguém?

Quanto tempo você tem…

Para acolher a Tristeza, permitindo que as lágrimas lavem sua alma e fechem os ciclos da sua vida?

Mas também,  para descobrir que as maiores Alegrias se encontram nas experiências mais simples da vida.

Quanto tempo você tem…

Para viver um amor que ninguém jamais poderá sentir por você… o Amor Próprio e Incondicional?

Porque somente deixam seu legado no Mundo, aqueles que descobrem que a unica diferença entre o MEDO E A CORAGEM É A AÇÃO !

Rodrigo Fonseca

Promessas de Ano Novo

O tempo com sua divisão por ciclos, 365/366 dias, traz uma sensação de tranquilidade. Em vez de pensarmos que não temos controle de nada, fica a ideia que tudo começa outra vez. Enxergar o tempo com começo, meio e fim ameniza a angústia e alimenta as esperanças de renovação.  Não em vão as pessoas comem uvas, romãs, pulam ondas, vestem-se de branco e fazem outras cositas más esperando um ano melhor.

Nas palavras de Carlos Drummond, no poema Receita de Ano Novo, “Para você ganhar belíssimo Ano Novo (…) Não precisa fazer lista de boas intenções para arquivá-las na gaveta (…) Para ganhar um Ano Novo que mereça este nome, você, meu caro, tem de merecê-lo, tem de fazê-lo novo, eu sei que não é fácil, mas tente, experimente, consciente. É dentro de você que o Ano Novo cochila e espera desde sempre”.

O ano novo está nas ações e escolhas. Mas, o cérebro, às vezes, pode pregar algumas peças. Ele nos faz acreditar que tudo pode melhorar sem fazermos absolutamente nada, ou quase nada – como só fazendo uma bela lista de promessas para o próximo ano. Se você não quer ser um acumulador de promessas não crie afirmações antes das interrogações. É fácil elaborar uma lista de coisas almejadas para o ano novo, difícil é colocá-las em prática.  Por isso, pergunte-se: PRA QUÊ?

Antes de colocar na sua lista “economizar dinheiro”, questione-se: pra que economizar dinheiro? Economizar por economizar tem menos força do que economizar para realizar um sonho. Primeiro é preciso encontrar em você o sentido daquilo que se compromete a fazer. Refletir sobre os “pra quês?” (Pra que emagrecer? Pra que ter mais tempo com a família? Pra que fazer academia? Pra que viajar?) faz pensar, motiva e além disso, faz deparar-se com o “como?”. Como fazer para cumprir uma promessa?

O ano novo que você espera está nas escolhas e decisões que você fará, portanto olhe para dentro de si, identifique as habilidades que têm e as habilidades que precisará adquirir, identifique seus objetivos, defina cada passo, planeje e mantenha o foco naquilo que quer realizar. Sobretudo, se aproprie da autorresponsabilidade. Pois, para ganhar um Ano Novo, meu caro, tem de fazê-lo novo!

 

Cair em si: o melhor tombo da vida

Chegou o momento de cair em si. Não aceite qualquer amizade, qualquer sentimento, um amor qualquer de uma pessoa qualquer. Ninguém é qualquer um, nem merece qualquer coisa, muito menos você.

O tempo passa tão rápido e ficamos tão atribulados com nossos compromissos de trabalho, de estudo, de vaidade, de tudo o que não tem a ver com a nossa essência, que, não raro, acabamos nos esquecendo de reservar um tempo a nós mesmos. Acabamos nos esquecendo de que há uma vida toda passando também aqui dentro de cada um de nós.

E, caso negligenciemos todas as nossas necessidades afetivas, quase nada nos resta de verdade. Sim, somos as nossas verdades, tudo o que alimenta as batidas de nossos corações, todos os nossos sonhos, desejos que constituem aquilo que somos – humanamente somos. Não existe conforto algum, maquiagem alguma, dinheiro algum, capazes de preencher a nossa dimensão afetiva, as carências de nossos sentidos, o horizonte do amor que guardamos aqui dentro.

Somos feitos de sentimentos

Somos sentimentos, somos alma, para muito além do nosso corpo e daquilo que vemos e pegamos com as mãos. Necessitamos de troca de energia, de toques de almas, de entendimento e de compartilhamento de olhares, de falas, de essências. Tudo o que é material, por si só, torna-se vazio e inútil, caso não estejamos trocando afetividade com alguém enquanto vivemos. Precisamos de amor e amor não se materializa no que a gente compra, mas existe e se multiplica através de sentimentos verdadeiros.

Assim sendo, sem que reflitamos acerca de nossas atitudes, agiremos, a pouco e pouco, mecanicamente, enxergando tão somente o que está ali na frente e os resultados, o produto final. Então, todo o processo que culminou naquela situação passará despercebido por nós, ou seja, não nos conscientizaremos de que muito do que nos acontece implica a colheita das sementes mal escolhidas e mal plantadas por nós mesmos.

Com isso, aceitaremos, resignados e passivamente, qualquer emprego, qualquer amizade, qualquer sentimento, um amor qualquer de uma pessoa qualquer. Mas ninguém é qualquer um, nem merece qualquer coisa, muito menos você. Temos que prestar atenção em nossas ações, para que possamos agir de acordo com as nossas verdades, para que não aceitemos menos do que a inteireza que estivermos oferecendo. Não podemos nos sujeitar a sermos menos e menores do que toda a integralidade de nossa essência, simplesmente por não prestarmos atenção em tudo o que temos dentro de nós.

Esta é a beleza de finalmente cair em si

Quando paramos e olhamos para dentro de nós, conseguimos perceber e refletir sobre as atitudes que vimos tomando, no sentido de mudar os comportamentos que nos afastam da felicidade e de manter em nossas vidas as ações que nos aproximam de tudo e de todos que nos ajudam a sorrir com sinceridade. Isso é cair em si. Isso é o melhor tombo da vida!

Por Marcel Camargo, Psicologias do Brasil

TEXTO ORIGINAL DE CONTIOUTRA

Os 40 anos chegaram? É hora de restaurar sonhos e jogar os entulhos fora. Por Ivonete Rosa Ivonete Rosa

Desde menina, escutava as pessoas dizendo que “a vida começa aos 40”. Confesso que isso me deixava bastante intrigada, mesmo depois de adulta. Afinal, que surpresas poderiam aguardar uma pessoa ao entrar para a quarta década de vida? Questionei muitas vezes.
Confesso que eu adoraria encontrar uma forma de escrever sobre esse tema sem me expor, mas não seria possível, visto que o texto ficaria pobre em autenticidade. Óbvio que me inspiro também em incontáveis relatos de outras pessoas.

Ao entrar para o clube dos “enta”, pude constatar esse “começo” de vida. Me deparei com a necessidade urgente de uma revisão sobre o modo como eu vinha vivendo. Foi como jogar tudo o que eu tinha de crenças, valores, sentimentos, medos e etc. num grande tatame e fazer uma seleção bem criteriosa. Olha, isso me deu muito trabalho. Eu simplesmente “filtrei” o que me servia e joguei o resto no lixo e mandei incinerar. Percebi, claramente, que eu carregava uma mala gigante de coisas que não me pertenciam. Eram tralhas indesejadas que muitas pessoas foram me entregando ao longo de minha vida.

E, tinha muito lixo, muita tranqueira pesada e incômoda. Me deparei com “objetos” em forma de insegurança, sentimento de incapacidade, sentimento de menos valia, crenças idiotas, necessidade de aprovação de pessoas que eu nunca gostei, bloqueios e etc. Olhei para cada um desses entulhos e disse: chega, vão todos para o lixo, aqui não tem lugar para vocês mais, vou trocar toda minha mobília, vou enfeitar a minha alma.

No meio dessa bagunça toda, encontrei alguns sonhos e desejos, completamente empoeirados, quase irreconhecíveis. Peguei-os, separei num canto, limpei a poeira mais grossa e prometi a eles que, dedicaria um tempo especial para restaurar-lhes o brilho, mas que esperasse eu jogar fora tudo o que não me servia. Então, após levar todo aquele entulho para a incineração, voltei aos objetos que restaram. Eles eram meus de verdade, faziam e fazem parte da minha essência. O riso, a fé, a espontaneidade, a mania de poetizar tudo, o senso de liberdade são alguns dos itens que estavam empoeirados e que eu fiz questão de restaurá-los, lustrá-los e transformá-los em objetos de decoração da minha alma.

Eu encontrei,em meio a essa bagunça toda, no fundo da minha memória, uma menina pobre, que morava num sítio. Muito tímida, desconfiada e completamente desacreditada. Com muita mansidão, acolhi-a, coloquei-a no colo. Ela chorava muito, pois ela disse a um adulto que quando crescesse queria ter o nome dela na capa de um livro, tal qual o nome da Branca Alves de Lima na capa da sua cartilha de alfabetização “Caminho Suave”. O adulto riu e zombou do sonho dela e disse ainda que ela não serviria nem para dar um recado quando crescesse.

Então, enxuguei as lágrimas daquela menina, enchi-a de beijos e disse a ela: olha aqui nos meus olhos e ouça, você vai ser escritora, sim, eu acredito em você e você vai começar a escrever hoje mesmo. A menina sorriu e me abraçou de volta, ela está aqui escrevendo nesse momento. Os recados dela estão espalhados pela internet em forma de crônicas e poesias.

Em suma, fui percebendo que a maioria dos meus medos me foram entregues por outras pessoas. Pessoas que não queriam que eu crescesse, que eu sonhasse, que eu vivesse de forma plena. As razões pelas quais elas queriam podar minhas asas? Não sei e nem me interesso em saber, importa é que me libertei das crenças aniquiladoras que elas me entregaram um dia.

Eu optei por fazer minhas próprias escolhas, foi como tirar um véu das vistas. Eu aprendi a dizer “não” sem me sentir culpada. Aprendi a me tratar com mais respeito, zelo e compaixão. Me perdoei pelas escolhas infelizes e me parabenizo por cada obstáculo superado. Aprendi que devo comemorar minhas conquistas, não importa o quão pequena ela pareça aos olhos dos outros. Desenterrei sonhos e me dedico a eles diariamente. Não preciso mais ouvir alguém dizer que sou ou não capaz de realizá-los. Eu aprendi a me conhecer, perceber meus pontos fortes e o que posso melhorar. Percebi que não existe impossível para quem tem a alma transbordando motivação e fé.

Me libertei da necessidade de ter uma companhia para me sentir completa. Continuo acreditando no amor e desejo vivê-lo mas não quero nada mais ou menos, eu não suporto migalhas…não as aceito mais em minha vida.

Sabe, acredito que esse despertar aos 40 ocorre porque nos percebemos na metade do caminho, considerando a expectativa de vida humana. Então, não queremos mais viver de qualquer jeito, não queremos viver imposições alheias. Queremos viver aquilo que faça sentido para nós. Isso se refere à crença espiritual, relacionamentos, estilo de vida e etc. Esse filtro do que serve ou não serve acontece diariamente, só que agora ficou mais fácil, pois a “faxina” pesada já foi feita. Nesse despertar, veio, no pacote, um outro modo de olhar o outro. Com mais empatia, com mais leveza, com mais compaixão. ” Eu não tenho um novo caminho, o que tenho de novo é o jeito de caminhar”.

5 reflexões para as mulheres que fazem muito pelos outros

Há mulheres que dedicam sua vida inteira aos demais: aos filhos que precisam criar, aos familiares que precisam atender, ao parceiro, mas muitas vezes precisam renunciar a muitas coisas… Tudo isso sem esquecer o círculo próximo e pessoal, onde é preciso administrar atenções, afetos, cuidados… Todos conhecem a alguém com este mesmo perfil. Ainda, os homens também podem cultivar esta conduta abnegada e dedicada para com cada membro de seu entorno social.

Porém, como já sabemos, este tipo de personalidade é mais habitual no gênero feminino. São milhares, talvez milhões, as mulheres que fazem muito e recebem pouco, milhares as que doam tudo e se descuidam de si mesmas. Longe de enxergar isso como um problema, a maioria se quer observa atentamente a balança de seus custos e benefícios desequilibrada, porque é assim que entendem a vida: se dedicando aos seus.

Agora, tudo tem um limite e, cedo ou tarde, essa inversão se transforma em uma sobrecarga emocional e psicológica. E, ainda que a  mente diga “siga em frente”, o corpo encontra seu limite e adoece, se ressente…

Se esse for o seu caso, se você percebe que ultimamente se sente mais cansada e sente, além disso, contínuas mudanças de humor, obrigue-se a parar!

Pare o ritmo de sua vida e reflita sobre estas 5 dimensões. Serão de grande ajuda.

1. Quanto tempo faz que você não desfruta do silêncio e da solidão?

O silêncio é saúde para o nosso cérebro e paz para nossos pensamentos.

  • Praticar todos os dias um “banho” de silêncio e solidão nos ajudará a nos reiniciarmos, a nos conectarmos muito melhor com nós mesmas.
  • As mulheres acostumadas a dedicar grande parte do dia aos demais (atender a famílias dependentes, a cuidar dos filhos e de seus pais…) não dispõem desses instantes de intimidade, calma e serenidade que fazem tão bem quando sofremos de estresse.
  • Cabe dizer que muitas pessoas habituadas a altos níveis de atividade, de pressão e de trabalho, às vezes enxergam o silêncio ou a solidão como algo muito estranho.

Não sabem o que fazer com ele porque apenas o conhecem, mas nunca puderam desfrutar dele. Por isso é quase necessário que todos os dias coloquemos em nosso horário a obrigação de dedicarmos uma hora ao silêncio. Os benefícios são imediatos.

2. Você pratica as “conversas significativas”?

As conversas significativas são aquelas que temos com pessoas capazes de nos ouvir e nos entender, amigos ou familiares que se conectam emocional e cognitivamente conosco.

  • Por sua vez, nesse tipo de conversa as preocupações escapam. As conversas são que nos permitem nos aprofundarmos em determinados aspectos de nosso dia a dia onde obter novos enfoques, ajudas, perspectivas…
  • Em um mundo de pressa e pressões, as conversas significativas estão perdendo valor.

Então que cuidemos delas, que favoreçamos esses encontros frente a frente em um café, onde falar de tudo e de nada, onde nos cuidaremos emocionalmente, onde nos conectaremos com o que é importante.

3. Ainda que acredite que pode aguentar tudo, essa não é a realidade: você tem o direito de se queixar

Não, o dia não tem 25 horas e você não pode se dedicar aos outros durante 90% do tempo. “posso tudo” e “tenho que chegar a cada coisa que esperam de mim” fará com que cedo ou tarde você não consiga chegar a nenhum lugar.
Em sua linguagem, em seu pensamento e em seus valores não cabe a palavra “não posso”. Porém, é necessário e até saudável que comece a dizer em voz alta alguma destas frases:

  • Hoje estou esgotada, não posso fazer esse favor.
  • Não, acredito que em alguns dias não vou poder ajudar, preciso de tempo para mim.
  • Não, decidi deixar de fazer isso porque você me pede, porque me supera, não me sinto bem e preciso me cuidar mais.

4. Sinta orgulho de si, se valorize a cada dia

As pessoas acostumadas a fazer qualquer coisa pelos outros não costumam se sentir reconhecidas.

  • Pouco a pouco, o entorno mais próximo começa a se acostumar a que essas mulheres estarão sempre aí, para ajudar, para apoiar, para ser um refúgio, um reforço, a mão amiga que resolve tudo e faz tudo.
  • Se os outros não são capazes de reconhecer cada coisa bem-feita, é preciso que você mesma faça isso.

Não há nada de mau em nos valorizarmos, em nos amamos, em sentirmos orgulho por cada coisa bem-feita, em sermos nosso próprio reforço cotidiano.

5. Aprenda a se auto abastecer

Se há algo que você sabe fazer com perfeição é abastecer aos demais: lhes presenteia seu tempo, seu afeto, seus cuidados, sua atenção e sua energia.

Que tal começar a se abastecer um pouco mais?

  • Dedique-se algum tempo.
  • Presenteie-se.
  • Faça algo que você gosta todos os dias.
  • Viaje.
  • Cuide da sua imagem corporal, não deixe de se enxergar bem no espelho.
  • Rodeie-se de amizades que a façam sorrir…

Não deixe de refletir sobre estas dimensões e de fazer alguma mudança em sua vida ao notar que isso é necessário.

TEXTO ORIGINAL DE MELHOR COM SAÚDE

Carinho é capaz de aliviar dor da rejeição, diz pesquisa

Quando a vida nos dá um sorriso amarelo, uma demonstração de carinho tem o poder de transformar o nosso dia. Basta recebermos um abraço amoroso ou uma palavra de afeto para retomarmos a calma e seguirmos em frente.

Um grupo de cientistas se dedicou a estudar como a afetividade age no nosso organismo e descobriu que o toque gentil é capaz de acalmar os efeitos da exclusão social. A pesquisa foi publicada na revista Scientific Reports e comparou o impacto de um toque lento e afetuoso em comparação ao toque rápido e neutro após um episódio de rejeição social. Como resultado, foi encontrada uma relação específica entre toque gentil e vínculo social.

De acordo com a autora do estudo, a pesquisadora Mariana von Mohr da UCL Clinical Education and Health Psychology, a medida que nosso mundo social está se tornando cada vez mais social e digital, é fácil esquecer o poder do toque nas relações humanas. No entanto, a pesquisa mostrou pela primeira vez que o simples acariciamento lento e gentil, mesmo que por um estranho, pode reduzir os sentimentos exclusão social após uma rejeição social.

No estudo, 84 mulheres foram levadas a acreditar que estavam jogando um jogo informatizado de bola com outros dois participantes para medir suas habilidades de visualização mental. Após jogar e pegar a bola várias vezes, eles responderam a um questionário que incluía perguntas sobre auto-estima, sentimentos, entre outros assuntos.

A experiência foi projetada para que as participantes achassem que estavam jogando com outros participantes. No entanto, os outros jogadores haviam sido gerados por computador. Quando as mulheres retomaram o jogo após uma pausa, os outros jogadores, inesperadamente, pararam de jogar as bolas para elas, fazendo com que sentissem socialmente excluídas.

As mulheres foram, então, vendadas e receberam o toque de uma escova com cerdas suaves com dois tipos de intensidade: suave e rápida. Em seguida, foi solicitado que elas completassem o mesmo questionário.

As participantes que receberam um toque lento perceberam uma redução dos sentimentos de negatividade e exclusão social em comparação a quem recebeu um toque rápido e neutro No entanto, nenhum dos toques foi suficiente para eliminar totalmente os efeitos negativos da exclusão social.

Segundo a pesquisadora Katerina Fotopoulou da UCL Clinical Education and Health Psycology, os mamiferos têm uma necessidade bem reconhecida de proximidade e apego, por isso não foi uma grande surpresa que o apoio social reduzisse a dor emocional de ser excluído nas interações sociais. O que chamou atenção, segundo ela, foi que não foram necessárias palavras ou imagens, pelo menos a curto prazo, para reduzir a sensação de desânimo.

Esta descoberta baseia-se em evidências de que o mesmo tipo de toque pode ter efeitos únicos na dor física e pode influenciar na saúde física e mental.
Efeito analgésico

Pesquisadores da Universidade de Liverpool, no Reino Unido, identificaram que a pele conta com terminações nervosas capazes de diminuir a sensação de dor. Os estudiosos têm chamado esses nervos de receptores de prazer .

 

Os estudiosos entendem que pode estar aí a chave para entender por que algumas pessoas gostam tanto de passar cremes, escovar os cabelos ou ganhar massagens: a presença dos nervos estimularia o bem-estar proporcionado por essas atividades. A maioria dos receptores de prazer, no entanto, concentra-se na palma das mãos e na sola dos pés.

Isso explica porque, muitas vezes, é preferível receber um abraço a ouvir palavras de conforto. O simples toque de outra pessoa já produz um efeito anestésico sobre o corpo, diminuindo o sofrimento.

Era do exibicionismo: A necessidade de aparecer.

A necessidade de aparecer todos nós temos, uns mais, outros menos, seja por motivos ou princípios diversos. É normal que queiramos contar as boas notícias, mostrar as nossas vitórias, partilhar com quem gostamos tudo que conquistamos, seja no ponto de vista material, emocional e espiritual.

Porém, esse processo de exposição precisa ser feito sem deslumbramento, com maturidade para não nos sujeitarmos forçosamente, uma vez que esse comportamento deixa de ser uma forma de comunicação e passar ser exibicionismo. Uma necessidade de supervalorização, seja por parte dos outros ou de nós mesmos.

Sigmund Freud num estudo sobre o exibicionismo constatou que cada um de nós começou a vida como um bebê exibicionista. Ele ainda verificou que a maioria das pessoas, na fase adulta, têm êxito em conter esse impulso, mas o exibicionista patológico não consegue superar tal aspecto.

Para a psicanálise o exibicionismo é um modo de excitação erótica, que pode transformar-se em um ato de dimensão patológica, onde se busca uma satisfação exclusivamente egocêntrica. Assim, alguns indivíduos sentem o desejo de evidenciar sua potência sexual: os homens precisam mostrar a sua virilidade e as mulheres o seu erotismo.

O exibicionismo possui uma genealogia hostil, uma vontade inconsciente de revelar as genitálias, entretanto, isso é impossível diante do princípio da realidade. A negação do exibicionismo pode dar vazão as agressões físicas, verbais e insinuosas, que estão latentes ou escancaradas.

Essas coisas estão ligadas ao sentimento de inferioridade, uma necessidade de chamar a atenção alheia – para mostrar que se tem sucesso, fama, dinheiro, carros, títulos ou até mesmo capinhas de celular. Vivemos na era do exibicionismo, em que a grande mídia vende a ilusão que se pode ter tudo que ser, contudo, ela não diz que isso tem – um custo elevadíssimo, que é o endividamento financeiro e o aumento da ansiedade e da angústia.

A redes sociais transformaram-se num grande termômetro do exibicionismo, uma realidade artificial – que se alimenta das carências afetivas ou emocionais, que busca através de likes ou comentários aumentar autoestima, para se convencer daquilo, que não se tem certeza em si mesmo.

Está provado se não for possível conseguir a satisfação em um nível mais profundo, inevitavelmente se buscará fora. Mas se autoestima estiver consolidada, não será preciso ficar se expondo, porque se conquistou a inteireza e a confiança em si mesmo e sem a obrigação de clamar atenção dos outros.

Uma coisa é fato de que nós seres humanos não somos autossuficientes e não conseguimos manter a nossa existência isolada, carecemos de outros seres humanos. Entretanto, a melhor forma de sermos lembrados é sermos nós mesmos, do que alguém que somente gosta de aparecer. Quem gosta de nós de verdade, vai gostar do jeito que somos e não do jeito que a mídia, a propaganda e redes sociais querem que sejamos.

Site Psicologias do Brasil. Por  Jackson César Buonocore

Como mudar os seus pensamentos negativos!

Por Beatriz Brandão

Muita gente me pergunta se existe formula mágica para pensamentos mudar os pensamentos negativos em um passe de mágica, claro, que eu gostaria de ter essa receitinha básica, mas eu tenho algumas dicas para você.

Se você acha que vive caindo nas armadilhas do pessimismo e da negatividade, que os pensamentos negativos te dominam e que é difícil ser otimista nos dias atuais

Veja aqui algumas atitudes muito simples você pode diminuir seu nível de negatividade e desenvolver a positividade que tanto gostaria de ter. Experimente colocar estas sugestões em prática:

Acredite e comece a aceitar

Por mais difícil que pareça você precisa aceitar o momento presente como ele é, não há nada melhor a fazer a princípio. Com aceitação, volte a acreditar que isso vai passar e as coisas vão melhorar – elas sempre passam e sempre melhoram. Essa mudança de pensamento te dará forças para fazer o que quer que você precise fazer, então coloque isso em prática antes de mais nada.

Comece a aprender com as lições da vida

Eu sei que parece coisa de livro de auto ajuda, mas não tem jeito: a melhor coisa que você pode fazer diante de uma situação indesejada é procurar enxergar o aprendizado que pode tirar disso e ser grato pela oportunidade de aprender. Sempre existe um aprendizado, independentemente de quão ruim uma situação é. Lá na frente, quando você olhar para trás e lembrar dessa situação, vai perceber o quanto foi valioso aprender o que você aprendeu.

Pegue o controle da sua mente de volta!

Provavelmente a melhor dica dessa lista, pelo menos é a que fez a maior diferença para mim. Desenvolver o domínio da própria mente é se tornar cada vez mais capaz de escolher a direção dos seus pensamentos. Como conseguir isso? Treino. Ou seja: meditação.

Descubra e mude os hábitos que te causam stress

Dormir menos de 7 horas por noite faz com que você acorde péssimo no dia seguinte? Ficar muito tempo sentado te causa dores insuportáveis nas costas? Notificações no celular acabam com a sua concentração? Descubra quais são os hábitos que te causam irritação e cansaço, encontre uma forma de mudá-los e veja a mágica acontecer.

Site: Psicologias do Brasil

%d blogueiros gostam disto: