O Bom de Viver.com.br

Início » Posts etiquetados como 'adolescência'

Arquivo da tag: adolescência

Tenho um adolescente em casa. O que faço?

A adolescência pode se tornar um período complicado para pais e filhos. Para muitos, pode ser uma das fases mais difíceis da vida pelo fato de marcar intensas modificações corporais, hormonais e comportamentais. Esta etapa marca a transição entre a infância e a idade adulta e é nela que o indivíduo descobre sua identidade e define sua personalidade.

Não se pode definir com precisão o início e fim da adolescência, pois ela varia de pessoa para pessoa. Porém, na maioria dos indivíduos, ela ocorre entre os 10 e 20 anos de idade (segundo dados da OMS – Organização Mundial da Saúde).
É normal que nesta fase o adolescente procure se distanciar dos pais e passe a conviver um período maior com o grupo de amigos que possuem interesses em comum, pois ele está querendo testar sua independência e autonomia. Também é natural que o adolescente passe a se comportar de forma diferente, tenha flutuações de humor, se revolte contra as regras da sociedade e de casa e se torne mais arredio com os pais.
Muitas vezes, os pais não sabem como lidar com o filho adolescente e acabam tomando atitudes autoritárias, que fazem com que o filho se revolte e se afaste ainda mais do grupo familiar. Outra atitude errada é o fato dos pais não entenderem o crescimento do filho, tratando-o ainda como criança. Essa atitude também leva o adolescente a afastar-se, pois nessa fase ele não quer mais ser considerado criança.
É importante que a família tome consciência das características próprias da adolescência e compreenda que, pelo seu desenvolvimento físico, psicológico e emocional, os adolescentes necessitam de mais espaço. Também é indispensável que os pais entendam que trata-se de uma fase do desenvolvimento necessária e inevitável para que seus filhos possam se tornar verdadeiramente adultos.

Assim, é necessário que haja amizade e muito diálogo entre pais e filhos. Também deve haver muita compreensão e carinho por parte dos pais, estabelecendo com os filhos uma comunicação baseada no respeito e confiança. Pais que dialogam com os filhos são mais ouvidos por eles, o que faz com que se tornem menos rebeldes.
Sempre que possível, os pais devem elogiar e confiar no filho adolescente, para que ele adquira uma imagem positiva de si mesmo. É necessário manter distância quando o adolescente estiver mal-humorado, deixando-o tranquilo e respeitando sua intimidade.
Outra boa maneira de evitar ou reverter atitudes rebeldes é dar autonomia e responsabilidades para os filhos, inserindo-os dentro das normas de convivência familiar.
Apesar dos alardes, não é todo mundo que passa por essa fase difícil. Enquanto alguns sofrem profundas transformações, há também aqueles que enfrentam as mudanças de maneira mais calma. No entanto, se os pais perceberem que seu filho está passando por mudanças severas (comportamentais ou biológicas) é importante o acompanhamento de um psicólogo. A psicoterapia é indicada não somente para o adolescente, como também para os pais que enfrentarem dificuldades em lidar com ele.

 

Por Janaina Mariuzzi, Site Psicologias do Brasil; 2017.

Sentimento de Culpa. Como trabalhar isto?

coracãoA história de  Louise Hay

“Estrupada aos 5a de idade continuou sofrendo abuso sexual até a adolescência. Apesar das tentativas frustradas da mãe de dá-la em adocão conseguiu fugir de casa. Ainda na adolescência se tornou mãe.

Foi garconete, manequim, casou-se duas vezes, divorciou e se tornou conselheira religiosa, estudando na Maharishís international University, em iowa,  comecou a trabalhar como guia de meditacão transcendental. Tornou-se ministra desenvolvendo seu próprio trabalho, editando o livro Cure  o seu corpo, cujo conteúdo trata das questões metafísicas das doencas corporais. Ao descobrir que estava com câncer utilizou suas técnicas para ajudá-la no tratamento. Aos 70a é escritora mundialmente conhecida.

A essência do ensinamento de Hay é o amor que cada um deve ter por si mesmo e a dissipacão da culpa, processo que, segundo ela torna o indivíduo mentalmente livre e fisicamente saudável.

Como na terapia cognitiva Hay vê no pensamento toda a potencialidade de mudanca do indivíduo. Romper com pensamentos inassertivos, crencas limitadoras vencer o medo e a culpa constroem comportamentos e acões saudáveis.

A raíz das doencas está ligada aos sentimentos de mágoa, raiva, ressentimento, revolta, ira, inveja, quando o indivíduo perdoa é o comeco da cura. Perdoar muitas vezes a si mesmo e ao outro, mesmo quando esse dito “outro” não pede o perdão. O “outro” muitas vezes não percebe que causou algo por isso o perdão faz parte do agente que perdoa, e não o contrário do que se espera, que o outro peca perdão. Perdoar para se “curar” . Sr. perdoe, eles não sabem o que fazem, parafraseando Jesus na sua crucificacão.

O que pensamos de nós mesmos? O que nos adoece?

Mudar os pensamentos, deixar para trás o que não faz sentido, ficar com o que realmente importa. Crencas fazem parte da moral ou de aprendizagens podem serem reorganizadas,refutadas portanto ser ético consigo mesmo. A febre é somente um sintoma que nos leva a buscar conhecer qual é a doenca, assim sendo a situacão é somente o detonador de algo que estava latente dentro do indivíduo. Desencadeada a situacão emerge o problema, mas ele já estava instalado, quieto ou atormentando, espiando o momento para (re) surgir.

Praticar o amor próprio de maneira verdadeira e sentir-se merecedor de uma vida plena, feliz e próspera. Trabalhar a auto confiança, auto estima lembrando que as pessoas são somente companheiras, ser feliz independe do outro, aprender a ser só. Companheiro de si mesmo.

Focar os fatos positivos mudando o olhar diante de si mesmo e da situacão. “Um ponto de vista é somente a vista de um ponto”, ser flexível, proativo, ao se deparar com o problema evitar ser reativo. O indivíduo proativo ocupa a posicão de agente da acão, deixa o papel de vítima e busca solucões, percebe que focar no problema alimenta sentimentos negativos, adoece o corpo e a mente. Usar uma linguagem positiva, pensamentos positivos para se sentirem motivados.

Praticar a gratidão. O que posso fazer com o que vida me traz? Fazemos escolhas a cada momento, a vida é o resultado dessas escolhas portanto ela nos devolve o que oferecemos a ela. Trabalhar a culpa como sinalizadora para o crescimento pessoal, usar o sentimento de culpa somente para refletir um comportamento e deixá-la para trás aceitando as limitacões e imperfeicões que cada um de nós carregamos, praticar a humildade.

Em seus livros e palestras Louise Hay insiste na premissa: “Pare de se criticar!” O amor é o caminho para a cura já dizia Freud.

%d blogueiros gostam disto: