O Bom de Viver.com.br

Início » Posts etiquetados como 'alimentação'

Arquivo da tag: alimentação

Dieta ‘mais ou menos saudável’ é opção sem tantas restrições

Dietas que prometem rápido emagrecimento surgem a todo momento, mas elas não explicam os prós e os contras das restrições alimentares que indicam. Excluir do cardápio grupos alimentares – proteínas, gorduras ou carboidratos, por exemplo – pode até levar à perda de peso, mas não favorece a saúde. Assim, especialistas em nutrição estão defendendo uma dieta “healthy-ish” (mais ou menos saudável, traduzido do inglês).

“Se você come regularmente alimentos saudáveis, como verduras, legumes e frutas, e se movimenta, não há problema nenhum em querer sair com os amigos, tomar uma cerveja e comer um tira-gosto ou optar por um chocolate na manhã de domingo. Comer tem que ser algo que faça bem à mente, não apenas ao corpo”, defende a médica nutróloga Ana Beatriz Rios, membro da Associação Brasileira de Nutrologia (Abran).

Ou seja, de acordo com a especialista, é perfeitamente possível equilibrar boa alimentação, prática de atividade física e o “luxo” de comer coisas de “fora do cardápio”, mas sem exageros. “São três conceitos básicos que devem estar em qualquer alimentação: a moderação, a proporcionalidade e a adequação. São eles os responsáveis pela sensatez entre a saúde, o bem-estar e o prazer do paladar”, explica.

Ana Beatriz destaca que essa flexibilidade ajuda também no processo de reeducação alimentar. “Esse equilíbrio incentiva a pessoa a ser ‘fiel’ à rotina de alimentação adotada. Isso diminui as chances de uma sabotagem e de um prejuízo alimentar num possível efeito sanfona”, assegura a especialista.

Foi o bom senso na alimentação que fez a nutricionista Raquel Righi perder mais de 50 kg em menos de três anos. “Quando me vi aos 31 anos pesando 130 kg, caí em mim. A partir de então, passei por uma reeducação alimentar que não era 100% restritiva”, revela.

Raquel conta que durante a semana equilibrava os alimentos com a prática de exercícios físicos e, aos fins de semana, se dava a liberdade de comer algo de fora do cardápio. “Uma taça de vinho ou um pedaço de pizza não eram prejudiciais. Pelo contrário. Já preparava o cardápio semanal pensando no sábado e no domingo. O ato de comer precisa ser prazeroso, mas, é claro, sem exageros dos dois lados”, acredita.

Ela considera ainda que a privação em excesso gera compulsão e culpa de comer algo “errado”. “Se você se sente culpado, se arrepende e acaba exagerando na comida”, reflete.

Contraponto. Por outro lado, a endocrinologista Janaína Koenen, membro da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (Sbem), considera que, para flexibilizar o cardápio, é preciso estar em harmonia com o peso. “Dar-se o direito de comer algo gostoso, mas pouco nutritivo, vale para as pessoas que estão bem com a balança, por algumas vezes. Aquelas que estão em processo de emagrecimento ou com o cardápio restrito por causa de doença devem evitar (sair da dieta)”, afirma.

Ela ressalta que esse período restritivo não é para sempre, mas que desvios devem ser acompanhados por um profissional, para que os efeitos já conquistados não sejam comprometidos.

Janaína aponta ainda para as falsas promessas das dietas “milagrosas”. “Não existe mágica, muito menos na alimentação. O equilíbrio reside naquilo que faz sentido, que não parece absurdo. Dietas que prometem resultados em pouquíssimo tempo podem estar na boca das pessoas, mas somem logo depois e se mostram ineficientes”, aponta.

Corpo. Uma pesquisa da Universidade de Copenhague, na Dinamarca, revelou que praticar 30 minutos de caminhada por dia é suficiente para fazer com que o corpo de um adulto normal seja beneficiado.

Qualquer pessoa que tem uma alimentação saudável pode incluir alimentos considerados não nutritivos sem acompanhamento especializado?

Existem alguns grupos (de pessoas) que não devem ingerir determinados alimentos sem orientação profissional, principalmente os industrializados e ricos em carboidratos. Os principais exemplos são os obesos que estão em processo de emagrecimento, os diabéticos e aqueles que têm intolerância ao glúten.

O que isso pode acarretar?

No caso dos obesos, um ganho de peso não programado, retrocedendo no emagrecimento. Quanto aos diabéticos e aos intolerantes ao glúten, pode haver uma piora no quadro que eles apresentam.

Como essas pessoas podem usufruir do prazer alimentar?

Há várias opções. Entre elas está o consumo de pães que não levem farinha de trigo na receita, mas farinha de linhaça ou de coco. Eles não são muito baratos, mas compensam na quantidade porque saciam mais a fome. Outra forma é substituir o açúcar por banana em uma receita de bolo: é mais saudável e até mais gostoso.

Qual o critério mais importante na busca do equilíbrio? 

Dar o primeiro passo sabendo que a conquista é gradativa, mas completamente possível.

JORNAL  O TEMPO – PUBLICADO EM 29/06/17 –

PENSE MAGRO – Como o seu Pensamento pode Te enganar

Inventario Do Instituto Beck de Terapia Cognitiva do Emagrecimento.

Reflita obre a última vez em que você saiu da dieta, quando comeu alguma coisa que sabia que não podia comer.  O que você pensou para se permitir comer?

Compreenda o quanto esse tipo de pensamento é distorcido. Você compreende que não é correto comer quando se quer emagrecer, mas os pensamentos sabotadores podem ser muito convincentes no momento em que ocorrem.

Quais são suas reações habituais com as dietas ?

Com que frequência você se sente injustiçado por não poder comer o que e o quanto os outros comem?

Nunca

Raramente

Algumas vezes

Frequentemente

Sempre

Com que frequência você se sente desanimado quando está fazendo dieta?

Nunca

Raramente

Algumas vezes

Frequentemente

Sempre

Com que frequência você se sente privado da coisas boas?

Nunca

Raramente

Algumas vezes

Frequentemente

Sempre

Com que frequência você pensa que fazer dieta é muito difícil?

Nunca

Raramente

Algumas vezes

Frequentemente

Sempre

Com que frequência você pensa que a dieta não vale a pena?

Nunca

Raramente

Algumas vezes

Frequentemente

Sempre

A maioria das pessoas que fracassaram ao fazer dieta tem atitudes negativas.

Gordura Saudável. Já Pensou Diferente?

Visualize um dia no futuro: você acorda se sentindo renovado. Sobe na balança. Ela mostra que você emagreceu mais meio quilo! Você se sente ótimo.gordura Veste as roupas que estavam apertadas, as pessoas percebem as mudanças físicas e psicológicas em você e o elogiam com frequência, se sente leve e renovado.

Começe a viver de maneira diferente.

Sobre o Programa Pense Magro:

Modificando o seu pensamento,

você mudará o seu comportamento para sempre.

Modificando o seu comportamento, emagrecerá.

É verdade que eu não me importo nesse exato momento.

Mas se eu comer esse alimento que não planejei,

daqui a pouco vou me importar muito.

Sei que vou me sentir muito mal se ceder,

mas me sentirei maravilhoso se resistir.

Eu preciso ir fazer alguma outra coisa.

De acordo com pesquisadores  na Suécia que utilizaram o programa de emagrecimento da terapia cognitiva Pense Magro, o grupo que utilizou o aconselhamento das técnicas de 12 sessões  deste programa perdeu 9 quilos ,o grupo que fez ginástica e exercícios mas não recebeu instruções sobre estas técnicas comparada a uma média perdeu apenas 800gramas.

“Magros” pensam em calorias, “gordos” pensam em comida.

Como funciona o PROGRAMA PENSE  MAGRO:

Você vai comer e apreciar suas comidas e bebidas prediletas.

Você vai aprender a confiar na sua capacidade de seguir uma dieta saudável e um programa de exercícios.

Você vai transformar deslizes e enganos em oportunidades.

Você vai manter o emagrecimento.

Muitas pessoas que fazem dieta dizem que não emagrecem por que têm um metabolismo lento, compensam na alimentação as suas emoções, têm problemas de saúde não conseguem manter uma dieta. Na verdade tudo isso pode ser superado se mudarem a forma de pensar pois os tratamentos de saúde mantêm o controle dos distúrbios físicos.

O fato é que o problema está no pensamento, que gera o comportamento compulsivo de comer. As pessoas não têm plena consciência da extensão de sua alimentação. Depois que aprendem como mudar a maneira de pensar sobre a alimentação , elas se tornam capazes de pensar em calorias ao invés de pensar em comida, capazes de comer mais devagar, de degustar o que come, de perceber o que estão comendo e apreciar sem culpa a comida e – finalmente- a persistir na dieta. Ao invés de recaídas aprendem a comer de forma consistente todos os dias .

Pense Magro é um programa que orienta mudar o que você pensa e sente sobre fazer dieta. O programa mostra como fazer as mudanças psicológicas orientando a fazer escolhas alimentares através da motivação enquanto outros programas focam na dieta alimentar como prioridade. Este programa ajuda a lidar com a privação, a “fissura”, como fazer para lidar com essas sensações, aumentar sua confiança, seu controle e sua força.

OBJETIVOS-  Programa Pense Magro:

-Liberta da culpa, vergonha e auto acusação.

-Liberta do medo da fome e do medo de perder o controle.

-Liberta das tentações irresistíveis e do comer por  razões emocionais

-Liberta de sentimentos de privação, injustiça e desânimo.

-Liberta da obsessão por suas escolhas alimentares, peso e aparência.

Para emagrecer é preciso fortalecer o “músculo de resistência”, um músculo psicológico que vai utilizar para se  manter firme e persistir no treinamento,para buscar pensamentos assertivos. Toda vez que comer um alimento planejado estará fortalecendo seu músculo de resistência,  estará enfraquecendo seu músculo de desistência. O pensamento trabalha as ondas cerebrais. O cérebro aprende através das repetições.

Antes de comer sempre temos um pensamento, normalmente eles são sabotadores, precisamos aprender a identificar estes pensamentos para enfrentar os desafios. Depois que adquirimos esta competência criamos novos caminhos mentais e com o tempo isso se tornará automático para o cérebro por este motivo o programa Pense Magro é para toda vida, diferente de uma dieta comum.

Um trabalho interdisciplinar médico, psicólogo, nutricionista e exercícios físicos é fundamental para o sucesso do tratamento.

 

Emagrecer Sem Medicamento?Programa Pense Magro -Saiba Como

Cuidados com a saúde

                     Programa de Emagrecimento

obesidade é caracterizada pelo acúmulo excessivo de gordura corporal no indivíduo. Para o diagnóstico em adultos, o parâmetro utilizado mais comumente é o do índice de massa corporal (IMC).

O IMC é calculado dividindo-se o peso do paciente pela sua altura elevada ao quadrado. É o padrão utilizado pela Organização Mundial da Saúde (OMS), que identifica o peso normal quando o resultado do cálculo do IMC está entre 18,5 e 24,9. Veja a tabela completa e descubra o seu IMC aqui. Para ser considerado obeso, o IMC deve estar acima de 30.

O Brasil tem cerca de 18 milhões de pessoas consideradas obesas. Somando o total de indivíduos acima do peso, o montante chega a 70 milhões, o dobro de há três décadas.

A obesidade é fator de risco para uma série de doenças. O obeso tem mais propensão a desenvolver problemas como hipertensão, doenças cardiovasculares, diabetes tipo 2, entre outras.

São muitas as causas da obesidade. O excesso de peso pode estar ligado ao patrimônio genético da pessoa, a maus hábitos alimentares ou, por exemplo, a disfunções endócrinas. Por isso, na hora de pensar em emagrecer, procure um especialista.

Adendo;  O trabalho interdisciplinar se torna fundamental para a mudanca de pensamento e comportament, justificando a exigência por parte da área médica o acompanhamento psicológico pré e pós cirúrgico no caso da obesidade . Entendo que é de igual importância para tratamento da obesidade  sem risco cirúrgico como tambem clientes com sobrepeso .Buscando prevenir recaidas , manter o cliente motivado, criar metas e objetivos, mudar crencas sabotadoras, trabalhar hábitos de vidas inassertivos, pensamentos e emocões desestabilizadores. Técnicas para trabalhar a ansiedade,compuksão, depressão e ganho secundário.

A terapia da obesidade é focada,diretiva, estruturada em técnicas Pense Magro, A. Beck , terapia Cognitiva associada com técnicas de Coaching e relaxamentos de Milton Ericksson . Duracão do acompanhamento psicólogico, 20 sessões. A entrevista inicial deve ser agendada sendo que gira em torno de 1 hora e meia.

A terapia é feita de forma interdisciplinar com acompanhamento psicológico, médico e um profissional na área de atividade física . Caso o cliente já tenha seus profissionais estes serão respeitados.

Leia também:

Fonte; Site da Sociedade de Endocrinologia e Metabobologia

Como Lidar Com a Obesidade?

 Qualidade de Vida
Combate à Obesidade, doença relacionada a muitas causas e, por isso mesmo, de tratamento lento e multidisciplinar. A obesidade pode estar ligada a distúrbios alimentares, ao sedentarismo, a disfunções hormonais e, por trás disso tudo ainda, à herança genética. Um time de educadores físicos, nutricionistas, psicólogos e endocrinologistas forma a melhor equipe para dar um fim nos quilos a mais.

Cirurgia-para-combater-a-obesidade

De acordo com o endocrinologista Amélio Godoy Matos, ex-presidente da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM) e da Associação para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica (ABESO), a maior parte dos tratamentos inclui um arsenal de remédios, já que são poucos os casos em que o paciente consegue reverter o problema apenas com disciplina. “Isso não significa, entretanto, que o uso de remédios dispense a adoção de hábitos saudáveis”, explica.

E está aí um dos principais nós relacionados ao controle de peso: muita gente acha que basta controlar a medicação para que os quilos comecem a desaparecer. “Quando isso não acontece, vem a frustração e o abandono das consultas”, aponta. O erro é comum, mas não o único. Se você já tentou emagrecer e não alcançou sua meta, veja os principais erros, apontados por especialistas, no tratamento da obesidade:

Ignorar as calorias totais da dieta

“A alimentação desequilibrada é um dos principais fatores relacionados à obesidade”, afirma a educadora física e doutoranda em nutrição Ana Dâmaso, coordenadora do Grupo de Estudo da Obesidade (GEO) da Unifesp. Segundo ela, quando este fator está associado ao excesso de peso, tona-se necessária a reeducação alimentar. Tudo começa estabelecendo um limite máximo de calorias que podem ser consumidas diariamente. “Uma pessoa acima do peso provavelmente ingere muito mais calorias do que seu metabolismo é capaz de queimar”, afirma a especialista. Para isso, procure um bom nutricionista que possa elaborar um cardápio individual.

Fazer escolhas pouco saudáveis à mesa

Bobagem ficar dentro das calorias previstas para o dia se os alimentos que você consome têm valor nutricional nulo. De acordo com a educadora física Ana, gorduras e açúcares são os grupos de alimentos mais presentes na alimentação do paciente com obesidade. Aprender a montar um prato colorido com muitas frutas, legumes e verduras, e uma parcela menor de carboidratos e proteínas, faz parte da reeducação alimentar. “Com o tempo, os pacientes percebem que não é preciso passar fome ou comer alimentos sem graça para perder peso”, explica.

Manter o sedentarismo

“Exercícios físicos são uma das principais estratégias terapêuticas não medicamentosas para combater a obesidade”, diz a educadora física Ana. Segundo a especialista, atualmente exercícios valem por remédio. O método mais eficaz para perder peso é combinar exercícios aeróbios, como a caminhada, com exercícios resistidos, com a musculação. “Juntos, eles não só combatem a obesidade, como ainda ajudam no controle da síndrome metabólica e da esteatose hepática não alcoólica (acúmulo de gordura no fígado)”, explica. Antes de iniciar o treino, procure um profissional para não realizar movimentos incorretos ou exagerar na dose, o que pode gerar lesões.

Perder o controle da ansiedade

A obesidade é uma doença multifatorial e, na maior parte dos casos, está ligada a disfunções emocionais. “Grande parte dos pacientes sofre de ansiedade, estresse e outros problemas que podem levar à compulsão alimentar, por exemplo”, afirma o endocrinologista Marcos Antonio Tambascia, professor da Unicamp. Por isso, incluir um terapeuta comportamental no tratamento da obesidade pode ser fundamental para alcançar o sucesso.

Adotar outros hábitos prejudiciais

“Principalmente pacientes que foram submetidos à cirurgia bariátrica são mais propensos a adotar outros hábitos prejudiciais para compensar o prazer que deixaram de ter por não poder comer compulsivamente”, afirma o endocrinologista Marcos. Segundo ele, é comum pacientes começarem a fumar e beber ao tentar seguir uma alimentação saudável. Por outro lado, alguns pacientes se sentem estimulados a mudar completamente de vida quando dão início ao tratamento da obesidade. Assim, começam a praticar exercícios, investem na reeducação alimentar e, de quebra, ainda adotam outros hábitos saudáveis como medida de prevenção da saúde.

Retomar os erros após a perda de peso

O paciente com tendência a ter obesidade não pode vacilar. Hábitos saudáveis adotados para perder peso devem ser mantidos mesmo após alcançar a meta. “Muitos pacientes acabam retomando os quilos perdidos porque deixam a disciplina de lado com o tempo”, diz o endocrinologista Marcos. Segundo ele, comer bem, praticar exercícios e fazer check-ups no médico regularmente deveriam ser regra na vida de todas as pessoas durante a vida inteira. No caso de pessoas com tendência a desenvolver a doença, entretanto, a medida se torna ainda mais relevante e não segui-la pode trazer consequências mais imediatas, como a desnutrição e a volta da obesidade.

Resistir a tratamentos mais agressivos

“A cirurgia bariátrica nunca é a primeira opção de tratamento para pessoas com obesidade”, afirma o endocrinologista Marcos. Mas indivíduos com índice de massa corpórea (IMC) maior do que 40 ou com IMC maior do que 30 e tendência a desenvolver doenças associadas à obesidade, como o diabetes, geralmente recebem indicação para a intervenção cirúrgica. Isso porque, neste caso, a necessidade de perder peso é imediata. Além disso, disciplina para mudar hábitos de vida nem sempre é o suficiente para vencer essa doença crônica. Por isso, o acompanhamento médico é fundamental.

Informações parciais. Confira o texto na íntegra, acessando o site: http://www.minhavida.com.br

Fonte: Viva Melhor On line

Amigos ou Boa Alimentação? O Que é Mais Saudável.

Especialista em medicina psicossomática e professor da Universidade Técnica de Munique Peter Henningen enfatiza que o alimento emocional trabalha as áreas do cérebro.O toque amoroso e delicado tem enorme impacto sobre o cérebro ele é detectado pelas fibras nervosas específicas traduzindo estímulos como sons ,cheiros,sabores e toques em emoções.A partir dessas informações diminui hormônios stressores , aumentando o bem estar liberando noradrenalina neurotransmissor responsável pelo sistema de alerta e vigília protegendo o envelhecimento dos neurônios do hipocampo, que ocorre ao longo da vida.

Um simples abraço aumenta a liberação de oxitocina,hormônio que facilita a aproximação entre as pessoas,reduz medos e fobias e nos torna mais confiantes. amigos

A presença de um “outro na nossa vida “ensina” o cérebro a formar uma resposta saudável diante das adversidades, estimula o otimismo, regula a ansiedade e respostas exageradas ao stress.

Mais curioso é que o afeto, carinho se propaga de uma geração para outra se recebemos carinho, desde cedo o cérebro alcancará uma melhor “regulagem” do sistema de resposta a situações difíceis que causam medo e ansiedade.E também criará mais possibilidade de desenvolver relacionamentos afetivos no futuro.

O que sentimos é resultado da capacidade do cérebro de alterar a si mesmo e ao corpo à simples visão de uma pessoa , animal ou objeto.

A inserção social e a certeza de que é possível contar com amigos,desfrutando de uma relação de apoio e troca, muitas vezes é até mais importante que os alimentos que ingerimos.Uma comida saudável quando estamos deprimidos traz menos benefício que uma costeleta de porco quando estamos otimistas,diz o Dr. Peter Henningen.

Relações afetivas estáveis estimulam a saúde mental e física e até prolongam a vida, pesquisa realizada na Escola de saúde pública de Harvard provaram que a substância interleucina6 causadora de doenças cardiovasculares são muito menores no organismo de pessoas que convivem sendo o inverso com os solitários.

O afeto, o carinho, a confiança mútua, o estar juntos, o companheirismo, a troca, o sentir amado, a inclusão, o grupo nos faz sentir ser humanos .Resgata os sentimentos primários adquiridos desde o ventre materno quando nos sentíamos protegidos e cuidados.

O amigo nos traz o primeiro e mais saudável alimento, o amor.Quando nos sentimos equilibrados conseguimos nos amar e amar o outro.

A alimentação é resultado do nosso equilíbrio psiquícoemocional.

%d blogueiros gostam disto: