O Bom de Viver.com.br

Início » Posts etiquetados como 'cérebro'

Arquivo da tag: cérebro

O Cérebro pode nos Levar a inassertividade?

Primeira impressão é a que fica: cientistas descobrem onde
Em artigo na Nature Neuroscience, cientistas descrevem descoberta de circuitos neurais envolvidos na impressão formada quando uma pessoa conhece outra.[Imagem: Schiller 

Estudos científicos recentes comprovam a veracidade do velho ditado, ” a primeira impressão é que fica”.  Leia a matéria na íntegra.

 

Codificação das informações sociais

 

Um grupo de cientistas nos Estados Unidos identificou os circuitos neurais envolvidos na formação da primeira impressão em uma pessoa ao conhecer outra. A descoberta, que mostra como as informações sociais são codificadas e avaliadas ao fazer tais julgamentos, foi publicada neste domingo (8/3) no site da revista Nature Neuroscience.

Interações sociais são processos complexos do ponto de vista neurológico. Quando uma pessoa é apresentada a outra, frequentemente avalia rapidamente se gostou ou não do indivíduo que acaba de conhecer, mesmo que o processo seja inconsciente.

A primeira impressão fica

Estudos anteriores demonstraram que, como diz o ditado, a primeira impressão é a que fica: avaliações relativamente acuradas e persistentes são feitas com base em observações rápidas, muitas vezes de menos de meio minuto.

O novo estudo, feito por pesquisadores das universidades de Nova York, Tufts e Harvard, investigou os mecanismos cerebrais que dão suporte às impressões formadas imediatamente após conhecer alguém. Os autores montaram um experimento no qual examinaram a atividade do cérebro nesses momentos.

Características pessoais

Foram apresentados perfis escritos de 20 indivíduos fictícios, ou seja, 20 diferentes características pessoais, a 19 voluntários. Os perfis foram entregues junto com fotos de cada um dos indivíduos e incluíam cenários indicando traços positivos (como “inteligente) e negativos (como “preguiçoso”).

Após ler os perfis, foi perguntado aos participantes o quanto eles gostaram ou não de cada um. As impressões variaram dependendo de quanto cada participante valorizava os diferentes traços positivos e negativos envolvidos. Por exemplo, se um participante dava mais importância à inteligência do que à preguiça, caso os dois traços fizessem parte do mesmo perfil a impressão formada era positiva.

Durante o período de formação das impressões, a atividade do cérebro dos participantes foi observada por meio de ressonância magnética funcional. Com base nas notas dadas pelos participantes aos perfis, os pesquisadores puderam determinar as diferenças nas atividades cerebrais ao encontrar informações que eram mais importantes na formação das primeiras impressões.

Amígdala e córtex cingular

As imagens resultantes mostraram atividade significativa em duas regiões do cérebro. A primeira foi a amígdala, a pequena estrutura arredondada na superfície anterior do cerebelo que estudos anteriores ligaram ao aprendizado de objetos inanimados e a avaliações sociais baseadas em grupos familiares ou de confiança. A segunda região identificada foi o córtex cingular posterior, que atua em decisões relacionadas a dinheiro ou a recompensa.

“Mesmo quando encontramos muito brevemente alguém que não conhecemos essas regiões apresentam grande atividade, resultando em uma primeira impressão instantânea”, disse Elizabeth Phelps, professora da Universidade de Nova York e uma das autoras do estudo.

Você Sabia? Vamos Descobrir Juntos, Nova Iorque.

Os duendes do WordPress.com prepararam para este blog um resumo de 2014

 

Um comboio do metrô de Nova Iorque transporta 1.200 pessoas. Este blog foi visitado cerca de 5.000 vezes em 2014. Se fosse um comboio, eram precisas 4 viagens para que toda gente o visitasse.

Clique aqui para ver o relatório completo

Inédito : Cientistas descobrem o ‘botão liga/desliga’ da nossa consciência

imageInédito : Cientistas descobrem o ‘botão liga/desliga’ da nossa consciência.

O que é Hipnose? Como a Auto Hipnose Pode Te Ajudar .

hipnose                                                                                  O que  é auto hipnose?

O processo da hipnose é uma auto hipnose, vivenciamos um estado hipnótico quando entramos em contato com nosso interior, de uma forma intensa,  quando focamos nossa atenção para o que estamos fazendo mas sem perder o contato com o mundo. Quando nos percebemos ouvindo ou discutindo sobre determinado assunto podemos entrar em estado hipnótico.

Dançando,vendo um filme, sonhando acordado, pensando em algo que absorve totalmente nossa atenção, imaginando algo ,acontece um transe hipnótico. Diferentemente da crença que as pessoas têm ao ver um hipnotizador de palco a hipnose é algo bem diferente disto.

Podemos dizer que ao entrar em transe hipnótico a pessoa passa pela experiência do estado de vigília para o estado adulterado de consciência o que é diferente de um estado alterado de consciência no qual  a pessoa ficaria a mercê do profissional .

Ao entrar em um transe hipnótico a pessoa pode sentir que está dormindo por relaxar profundamente. O profissional percebe os sinais oculares, corporais e a respiração  o que indica se a pessoa está em transe hipnótico ou não.

Todas as pessoas entram em transe hipnótico? Nem sempre, algumas são mais resistentes, ansiosas mas com um contato maior com o profissional, criando um vínculo entre o profissional e o cliente de maior confiança e cada vez mais que o  cliente passa a entender melhor o processo a tendência é diminuir a resistência evoluindo para a realização do processo.

O trabalho da hipnose consiste em trabalhar a mente e o cérebro, abrir portas que estão fechadas. O  cérebro é dividido pelo hemisfério direito  que é responsável pelas nossas vontades, desejos, símbolos , sonhos e emoções se parece com o nosso “inconsciente”. O hemisfério esquerdo é responsável pelo raciocínio lógico, ele analisa, cria as palavras e idéias e os detalhes das coisas.

O hemisfério direito trabalha com o pensamento automático, o esquerdo com o pensamento crítico.

Ao lidar com essa realidade deparamos com  um dilema que na maioria das vezes se torna o fator crucial dos problemas da humanidade , cada pessoa acredita que a sua verdade é a que prevalece ou seja , tem certeza que está com a razão e que o outro está errado no seu jeito de pensar ou comportar. O que é ingênuo acreditar em tal premissa pois ao lidar com  esses “dois” cérebros podemos perceber que há uma diferença no perceber e raciocinar de cada um. A justificativa de tal premissa é uma questão  fisiológica.

Como na música do  Caetano Veloso, ” Os olhos da cobra é verde , hoje foi que arreparei, se arreparasse a mais tempo não amava quem amei.”

O hemisfério esquerdo está ligado ao “tem que”, o direito ao sentir e evitar a frustração.O processo da hipnose é trabalhar esses dois hemisférios ajudando a pessoa equilibrar a razão e a emoção.

O profissional ao trabalhar com a hipnose lança mão de várias técnicas para indução do transe e posteriormente utilizar a terapia da hipnose. A respiração a priori é muito importante, como a linguagem hipnótica e ferramentas próprias.

É um processo sério, muito profundo, com excelentes resultados onde o cliente pode desfrutar saudavelmente de uma terapia do seu modo, no seu tempo, sem  se sentir invadido,  buscando o auto conhecimento e solução das suas dificuldades.

 

 

Fontes: Auto Hipnose, Robles, Tereza

Abia, Jorge

 

 

 

 

 

 

Exercícios combatem transtornos emocionais

Como os Exercícios Podem Ajudar os Transtornis Emocionais?

Aula de Pilates no Espaço Kaizen. Todos os direitos reservados Foto: Espaço Kaizen/ HT Pilates

Praticar exercícios físicos só nos faz bem. Lembra que falamos aqui que o Pilates ajuda a prevenir e tratar a depressão? Pois é, a prática de atividades físicas pode combater vários transtornos emocionais comuns para muita gente. Melhora a autoestima, desestressa e até aumenta a libido. Olha só:

Estresse

Os exercícios servem como uma válvula de escape para o estresse do dia a dia. Eles liberam a endorfina, uma substância que regula as nossas emoções. Modalidades que envolvem a respiração e a concentração são fundamentais para o alívio de tensão e estresse.

Pânico

De acordo com o portal Minha Vida, a atividade física regular ajuda a acalmar as pessoas que sofrem ataques de pânico. A causa também é a endorfina, que tem efeito calmante no organismo.

Leia também:
Melhore a sua qualidade do sono praticando Pilates
7 motivos para praticar atividade física

Autoestima

Ver o post original 170 mais palavras

5 mitos sobre o Estresse

Lidando Melhor com o STRESS

Viva Melhor Online

Morar no último andar de um prédio garante uma bela vista. Por outro lado, implica longas viagens de elevador ou de escada. Em outras palavras, dependendo de como se encara a situação, a cobertura vira um sonho ou um aborrecimento. “Com o estresse, ocorre algo semelhante: o fato em si importa menos do que a maneira como é assimilado”, avalia a psicóloga Valquíria Trícoli, vice-presidente da Associação Brasileira de Stress.

estresse-dor-cabeca-650x350

 

A confusão, entretanto, começa na hora de decidir o que fazer para lidar com o nervosismo. Certas práticas que aparentemente esfriam a cabeça podem, na verdade, acabar esquentando os ânimos. “Estamos mais preparados para gerenciar o estresse. Só que, por falta de informação, as pessoas cometem erros que as prejudicam ainda mais”, reforça o psicólogo Esdras Vasconcellos, da Universidade de São Paulo. Chega o momento de introduzir as atitudes que causam uma tempestade na massa cinzenta e as correções…

Ver o post original 961 mais palavras

Como Melhorar a Memória?

Como você adquire e retém as memórias. Saia da rotina e turbine a memória.

Para mantê-la em forma, amplie o repertório cultural e diversifique as atividades diárias. E não se esqueça: bons hábitos alimentares, relaxantes noites de sono e atividade física colaboram.

Não adianta ler esta reportagem várias vezes para memorizar nossas dicas, mas prestar muita atenção em cada uma delas será essencial. “A boa memória depende de atenção. Se a pessoa está desatenta ou distraída, não fixa bem as informações”, explica a neuropsicóloga e professora da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC-MG) Cláudia Memória. Considerando que esta é uma leitura importante para sua saúde faça uma reflexão crítica sobre o que vir desta página em diante. “A leitura nos dá agilidade mental, aumenta nosso vocabulário e facilita a capacidade de associar ideias”, a especialista ressalta. E se você tiver um marcador de texto ao seu lado, abuse dele. Se amarelo, melhor ainda, pois essa cor proporciona maior retenção que as outras.

Ler não somente desperta a visão, mas pode estimular outros sentidos. Um autor que escreve que certa personagem “sentiu o aroma de um bolo saboroso” faz que seu leitor resgate aromas de bolos saborosos em sua memória. Segundo o biólogo Douglas Engelke, do Laboratório de Neurobiologia da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp, quanto mais diverso for o repertório de uma pessoa (literário, musical, cinematográfico etc.), melhor funcionará sua memória. Então, a grande dica é: não importa o tipo de leitura, se literária ou informativa, devore tudo o que vier pela frente.

Os efeitos do tempo
memoriaA redução do número de sinapses (as conexões entre os neurônios), o decréscimo na produção de neurotransmissores e os declínios do metabolismo são problemas naturais que acompanham o envelhecimento e, por consequência, nossas memórias – ou a capacidade de criá-las. Essas alterações se refletem na resolução de novos problemas e na velocidade com que processamos informações. “A capacidade de aprendizado se mantém ao longo da vida, porém é necessário um tempo maior de exposição ao conteúdo para sua aquisição”, diz Cláudia.

O biólogo Ilton da Silva, do Laboratório de Neurociências e Comportamento do Instituto de Biociências da Universidade de São Paulo (USP) explica que manter uma constante atividade intelectual pode minimizar a perda de neurônios. Pessoas que tiveram uma atividade intensa do cérebro durante a vida protegem o órgão dessas perdas e têm menor suscetibilidade a doenças como a de Alzheimer. “Estudos mostram que há nascimento de neurônios todos os dias e que, além daquelas atividades intelectuais, eles podem ser estimulados por meio de atividades físicas. Quanto mais você fizer pelo seu cérebro, menos sofrerá quando a idade avançada chegar”, sugere ele.

Mente sem estresse
Um novo aprendizado demanda o envolvimento de diversas vias neuronais. E, às vezes, trabalhamos nossa mente à exaustão (excesso de metabolismo) para “criar um arquivo”, fazendo que uma atividade que poderia ser prazerosa se torne chata. O estresse é inimigo da memória, pois com ele vem de brinde o hormônio cortisol. “No hipocampo, há um grande número de receptores para o cortisol, o que faz que a memória fique prejudicada quando há excesso dele”, explica a neuropsicóloga. Para ela, memorizar nada mais é do que associar treino e disciplina. “Um bom memorizador é um bom estrategista”, pontua.

Alimentação e exercícios físicos também são importantes para manter a memória em boa forma. No cardápio, inclua alimentos ricos em flavonoides (presentes nas frutas vermelhas), ômega-3 (peixes, castanhas), vitaminas do complexo B (carnes vermelhas, aves, grãos integrais, leite) e colina (ovos) – este último nutriente é precursor do neurotransmissor acetilcolina, que é envolvido no processo de memorização. Os exercícios físicos aumentam a oxigenação cerebral e promovem a liberação de substâncias favoráveis ao aprendizado. O biólogo Engelke salienta que, além da liberação de dopamina – neurotransmissor que favorece a consolidação das memórias -, exercícios físicos trabalham a coordenação motora, propondo desafios para o cérebro. Vale salientar que, depois de um dia intenso de trabalho ou ginástica, descansar é obrigatório. “Dormir é necessário para fortalecer o aprendizado, sobretudo na fase do sono chamada REM (do inglês, Movimentos Rápidos dos Olhos), que consolida a memória de longo prazo”, afirma Claúdia.

Use os cinco sentidos
Sair da rotina é o mesmo que aprimorar seus neurônios. “O mais importante é diversificar as atividades para mobilizar diferentes áreas do cérebro. As portas de entrada das informações que nos cercam são os sentidos”, diz a neuropsicóloga Claudia. Ela alerta para o fato de que a visão e a audição são supervalorizadas na nossa cultura e que, portanto, acabamos esquecendo o tato, o olfato ou o paladar na hora de reforçar a aquisição de uma informação.

Aprender a tocar um instrumento musical; estudar uma língua estrangeira; jogar videogame; fazer sudoku; buscar novas rotas para o trabalho; matricular-se em aulas de dança. Há um sem-número de atividades à sua disposição, contanto que não sejam realizadas como sendo mais algumas entre as tarefas maçantes do cotidiano. “É complicado dizer a uma pessoa que, para turbinar sua memória, ela tenha de, obrigatoriamente, fazer palavras-cruzadas no período da manhã. Simplesmente, pode não ser interessante para ela”, pondera o biólogo Silva. “Todas essas atividades são importantes quando elas dão prazer. Aí, sim, serão benéficas para o cérebro”.

>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>

Como você adquire e retém as memórias

AQUISIÇÃO cerebro 1
O lobo frontal é responsável pela memória de curto prazo. Caso a informação seja relevante (ou repetida diversas vezes), esse conhecimento será registrado no lobo temporal – especificamente, em uma região chamada hipocampo. E, já que são áreas do cérebro distintas, é o que explica o porquê de uma pessoa com doença de Alzheimer não recordar a data atual, mas ser hábil para tocar um instrumento musical.

ARMAZENAMENTO
cerebro 2As memórias estão subdivididas em: declarativa (o saber que) e implícita (o saber como). A primeira, ligada ao lobo temporal, tem a ver com registrar nomes, o local onde se deixou um objeto etc. Já a segunda relaciona-se a habilidades, hábitos e outros tipos de aprendizagem (tocar um instrumento, pintar, falar uma língua estrangeira).

Há nascimento de neurônios todos os dias. Além das atividades intelectuais, eles podem ser estimulados por meio de atividades físicas

Não confunda
– É possível que a desatenção (ou a não concentração) seja confundida com falta de memória. Há testes capazes de fazer essa distinção, que são realizados por um especialista. Ele indicará a melhor forma de contornar o problema.
– Deu branco? O esquecimento tem papel fundamental no processo de aprendizado, pois serve para não atrapalhar a aquisição de novas informações. “Lapso de memória não é problema de memória”, ressalta Cláudia Memória.
– Ausência de memória pode ser falta de estratégias eficazes. Lance mão de alarmes, agendas e blocos de anotações (aqueles coloridos e autoadesivos são ótimos para sair colando por aí)… Mude o anel de dedo ou troque o relógio de braço para sinalizar pendências. E altere seu discurso: em vez de dizer “eu não posso me esquecer”, prefira “o que eu preciso fazer para me lembrar de…”.

Dormir favorece o aprendizado, sobretudo na fase do sono chamada REM (Movimentos Rápidos dos Olhos), que consolida a memória de longo prazo

  Revista Viva Saude 14 set 2013)

>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>

Como Criar Hábitos de Leitura?

Como Criar Hábitos de Leitura?.

O Cérebro potencializa o amor- Saiba Como.

1003116_272629786209019_1342252560_n

Os motivos pelos quais levam a morte do homem são vários mas se analisarmos são os próprios humanos que mais causam a morte. Somos vítimas e protagonistas nessa causa mortis. Somos causadores muitas vezes da nossa própria morte.

Quando atentamos contra o outro por negligência no trânsito, nas guerras, na violência, nas agressões psicológicas e físicas, na vida estressante, na falta do amor, compaixão e respeito ao próximo.

Mas como seria o homem causador de sua própria morte? Suicidas em potencial? Evidente que o homem não deseja se matar, condutas de vida nos leva a morte em vida ou mesmo dificuldades emocionais nos dificultam ter um olhar sadio da vida, dificuldade de mudar hábitos e posturas, falta de informação, no remetem a morte .

A vida média do homem aumentou, a neurociência conjuntamente com  os estudos científicos criaram possibilidades de tratamentos para doenças , os recursos materiais aumentaram mas a parte afetiva do homem ainda funciona como dos seus ancestrais. Somos seres sedentos de amor.

Hoje temos a possibilidade de viver mais e melhor, podemos ser velhos criativos, dinâmicos, sadios, alegres, atuantes, com amor no coração pronto para receber e doar afeto. A ideia de velhos rabugentos, doentes, ultrapassados, é coisa do passado diante das novas perspectivas do mundo. Não depende do material em si mas de posicionamento e determinação de como viver a vida.

Mário Quintana, poeta, no fim de sua vida questionou o amor nos versos assim descrito,”E esse amor imenso que tenho dentro de mim, para quem vai ficar?

É muito complexo quando pensamos no amor, dar amor no meio de tantas reservas e distanciamento, na nossa cultura atual passou a ser algo indecifrável. As variáveis são tantas que nos perdemos em meio as elocubrações de como agir para oferecer amor. Medo, insegurança e egocêntrismo distancia as relações afetivas na atualide.

Vamos acumulando mágoas, ressentimentos, pois na tentativa de amar, de agradar o outro, somos muitas vezes mal interpretados e taxados como simplórios, bobos, intrometidos, bajuladores e interesseiros, aproveitadores.

Queremos agradar e não agradamos, é como “pisar em ovos”,deixamos de lado o que é realmente importa para sermos felizes e plenos. E, ao viver repetidamente essas situações nos encolhemos, enclausuramos, desconfiados fechamos e aprisionamos o amor nos nosso corações.

Somos cheios de verdades absolutas necessidade de controlar, inpingimos no outro os nossos desejos e visão do mundo que cremos, é como se ao relacionar precisamos checar cada um dos ítens de nosso currículo para gostarmos do outro, é fundamental que ele preencha os  dados determinados.Temos dificuldade de mantermos uma relação amorosa fácil com os nossos semelhantes, principalmente quando se trata de namoro ou casamento.

Quando há paixão tudo se torna mais fácil. Precisamos ter paixão, amor para poder sonhar e nos  sentirmos motivados. Acreditarmos no outro ou pelo menos dar um crédito de confiança a priori.

O cérebro tem função importantíssima na promoção do amor ao exercitá-lo, pesquisas indicam que amamos com o cérebro e algumas correntes acreditam que o coração também tem um cérebro independente.

A paixão pelo trabalho lidera o ranking das satisfações pessoais porque atua nas atividades cerebrais. Pra ativar o cérebro nada melhor que a paixão pelo trabalho,atividade científica e amorosa. Ao diminuir as atividades cerebrais há um esvaziamento em parte deste orgão tido com alojador de sentimentos.

Ao tirarmos um sentimento de afeição de uma pessoa afetamos diretamente o cérebro e abrimos portas para uma decadência, para um fracasso em todos os níveis da vida do ser humano.

Amor e amar verbo transitivo para preencher a vida.

Mente & Cérebro . Como Desenvolver Suas Potencialidades?

images

Na antiguidade os filósofos acreditavam que as emocões estavam ligadas a alma, hoje no mundo comtemporanêo tudo acontece a nível cerebral ou seja as emocões estão ligadas no hipotálamo, no sistema límbico do cérebro.Mente e alma ou seja o que é metafísico se manifesta na mente/ alma,parte imaterial.

Mas o que é mente e cérebro? Mente é onde aloja nossas emocões,sentimentos, nossa capacidade de sensibilizar diante da vida. Cerébro é o que aloja nossa caixa craniana onde todas as conexões neurais e estruturas se interligam , é a parte “física”,material.

Acredita se hoje que a mente ou seja a alma seja uma manifestacão do corpo que seria o cérebro.

A neurociência é a ciência que estuda as bases neurais da atividade psicológica, denominda neurociência cognitiva. Com o avanco da neurociência surgiram novos questionamentos científicos com relacão das bases neurais da atividade psicológica e do cérebro.

A evidências de que a interacão entre mente e cérebro seja de mão dupla.Ou seja: a mente pode alterar a própia química do cérebro, como acontece na metidacão.(Revista ,Vida Simples.Outubro 2012/Ed. 123)

Será que todos os nossos comportamentos são determinados pela bioquímica do cérebro? Somo donos dos nossas vidas, temos livre arbítrio? Se somos comandados somente pelo cérebro qual o papel da psicologia e das relacões humanas?

É certo que o hormônio ocitocina, por exemplo, estreita a relacão do corpo e da mente pois age nas emocões, na autoconfianca, na área sexual , parto.A neurociência fornece verdades gerais sobre o funcionamento do cérebro , muitas vezes com ajuda de imagens pois ela comprova que há uma correlacão entre uma emocão e uma substância específica ligada a essa emocão no cérebro, o que mostra uma ligacão entre as as duas variáveis sem contudo ser causa e consequência.

Podemos tomar um medicamento psiquiátrico como antidepressivo, ansiolítico eles aliviam o sintoma, porém não mudam o comportamento.”Ë preciso identificar as causas da depressão ,que em geral não estão apenas em um desequilíbrio químico cerebral mas também em fatores ambientais e no histórico de vida da pessoa”,ilustra Teixeira em Filosofia do Cérebro.Podemos escanear o cérebro de alguém, como os grandes líderes, seria possível explicar suas forcas políticas,religiosas? Poderiam ter características específicas mas com certeza têm suas peculiaridades próprias de suas vivências.

O importante é acabarmos com o preconceito com relacão ao uso de medicamentos e a prática da terapia para melhorarmos nossa saúde e qualidade de vida.

A neurociência é fundamental para o avanco da psiquiatria e psicologia ou seja da ciência,” como sugeriu Vylanour Ramachandran, a heranca platônica que nos vê apenas como uma alma aprisionada no corpo tende a acabar” ,estaria aberto a interface entre a fisiologia e a psicologia.

É importante essas duas ciências caminharem juntas pois ainda a subjetividade acontece a nível de significados, não há como medir sentimentos.

%d blogueiros gostam disto: