O Bom de Viver.com.br

Início » Posts etiquetados como 'emocões'

Arquivo da tag: emocões

O Cérebro pode nos Levar a inassertividade?

Primeira impressão é a que fica: cientistas descobrem onde
Em artigo na Nature Neuroscience, cientistas descrevem descoberta de circuitos neurais envolvidos na impressão formada quando uma pessoa conhece outra.[Imagem: Schiller 

Estudos científicos recentes comprovam a veracidade do velho ditado, ” a primeira impressão é que fica”.  Leia a matéria na íntegra.

 

Codificação das informações sociais

 

Um grupo de cientistas nos Estados Unidos identificou os circuitos neurais envolvidos na formação da primeira impressão em uma pessoa ao conhecer outra. A descoberta, que mostra como as informações sociais são codificadas e avaliadas ao fazer tais julgamentos, foi publicada neste domingo (8/3) no site da revista Nature Neuroscience.

Interações sociais são processos complexos do ponto de vista neurológico. Quando uma pessoa é apresentada a outra, frequentemente avalia rapidamente se gostou ou não do indivíduo que acaba de conhecer, mesmo que o processo seja inconsciente.

A primeira impressão fica

Estudos anteriores demonstraram que, como diz o ditado, a primeira impressão é a que fica: avaliações relativamente acuradas e persistentes são feitas com base em observações rápidas, muitas vezes de menos de meio minuto.

O novo estudo, feito por pesquisadores das universidades de Nova York, Tufts e Harvard, investigou os mecanismos cerebrais que dão suporte às impressões formadas imediatamente após conhecer alguém. Os autores montaram um experimento no qual examinaram a atividade do cérebro nesses momentos.

Características pessoais

Foram apresentados perfis escritos de 20 indivíduos fictícios, ou seja, 20 diferentes características pessoais, a 19 voluntários. Os perfis foram entregues junto com fotos de cada um dos indivíduos e incluíam cenários indicando traços positivos (como “inteligente) e negativos (como “preguiçoso”).

Após ler os perfis, foi perguntado aos participantes o quanto eles gostaram ou não de cada um. As impressões variaram dependendo de quanto cada participante valorizava os diferentes traços positivos e negativos envolvidos. Por exemplo, se um participante dava mais importância à inteligência do que à preguiça, caso os dois traços fizessem parte do mesmo perfil a impressão formada era positiva.

Durante o período de formação das impressões, a atividade do cérebro dos participantes foi observada por meio de ressonância magnética funcional. Com base nas notas dadas pelos participantes aos perfis, os pesquisadores puderam determinar as diferenças nas atividades cerebrais ao encontrar informações que eram mais importantes na formação das primeiras impressões.

Amígdala e córtex cingular

As imagens resultantes mostraram atividade significativa em duas regiões do cérebro. A primeira foi a amígdala, a pequena estrutura arredondada na superfície anterior do cerebelo que estudos anteriores ligaram ao aprendizado de objetos inanimados e a avaliações sociais baseadas em grupos familiares ou de confiança. A segunda região identificada foi o córtex cingular posterior, que atua em decisões relacionadas a dinheiro ou a recompensa.

“Mesmo quando encontramos muito brevemente alguém que não conhecemos essas regiões apresentam grande atividade, resultando em uma primeira impressão instantânea”, disse Elizabeth Phelps, professora da Universidade de Nova York e uma das autoras do estudo.

Como Melhorar a Memória e a Concentração?

“Na cultura ocidental o conhecimento e aprendizagem estão ligados muitas vezes a coisas externas quando recursos internos são de grande valia nesse processo,” Núbia. Maciel França

 

 

Muitos queixam que absorvem pouco o que lêm e estudam, memorizam ou concentram pouco. Isso acontece porque a educação desde a escola vem “de fora para dentro”.

A palavra latina educação vem de “educcere”, tirar de dentro, extrair.

A maneira mais simples para se obter a educação subjetiva é o relaxamento, a meditação. Ambas levam a “expansão da consciência.”

O remédio mais barato do mundo é a respiração, ao respirar profundamente diminuímos a tensão, o nível de cortisol e adrenalina no sangue, equilibramos o sistema nervoso, psíquico, emocional. Nossa pulsação volta ao normal e nossos pensamentos fluem  melhor, o que nos leva a tomar decisões mais assertivas.

Quando estamos ansiosos, apressados, irritados perdemos o foco e a concentração, entramos em estado de stress, chegando muitas vezes a exaustão. A mente fica descontrolada e o corpo começa a adoecer .

Como dizem, “mente sana, corpo sano”.  Embora no ocidente ainda poucos acreditam e praticam o relaxamento e a respiração estes métodos entre todos os outros como exercício físico, hábitos saudáveis deveriam estar no topo da escala de controle da saúde mental e física.

Ao lidarmos com a vida no dia a dia nosso cérebro funciona em estado Beta (vigília) ao respirarmos profundamente, relaxamos e entramos em estado Alfa, mudamos a frequência do cérebro o que reflete em nossa mente e corpo.

Os benefícios são imediatos, aumenta a imunidade do corpo, concentração, memória, libera endorfina  tirando nos de um estado de confusão, tensões e preocupações que nos levam perder o foco e os neurônios ficarem dispersos.

O estado Alfa aumenta a imaginação, a intuição,  a capacidade de resolver problemas,  a tranquilidade e acelera o processo de cura e  de rejuvenescimento.

Experimentamos Alfa quando dormimos para que possamos ter uma melhor qualidade de sono e reestruturação dos tecidos do nosso corpo .

No  Japão é utilizada a respiração diariamente, as empresas praticam o relaxamento assim que os funcionários chegam para a jornada de trabalho.

Relaxando vivemos mais felizes e  aumentamos nossa qualidade de vida.

Pare! Invista em você.

 

 

 

Pérolas para Lidar com a Loucura do Dia a Dia

Sempre digo que somos nosso maior inimigo, vivemos aprisionados pelo ego . O ego(eu) é o que “deseja”, que impõe e ao mesmo tempo nos torna a pessoa que somos, singulares.Dia das Crianças no Ambulatório de Neurologia do HC

No livro de autoria do padre Fábio de Melo, “Quem me Roubou de Mim” podemos fazer uma leitura sobre o quanto somos prisioneiros de nós mesmos. Somos sequestrados diariamente pelos nossos vícios, padrões de comportamentos repetitivos inassertivos, pensamentos repetitivos que tiram nosso sono e não levam a solução nenhuma.

Sequestrados somos  quando o “outro” deixa de ser um companheiro de viagem e torna-se nosso objeto de escolha, como dizia Sartre: “O inferno é o outro” .  A vida é feita de escolhas, quando deixamos o outro escolher por nós somos seqüestradores de nós mesmos . Penso que o inferno é o outro no momento que ocupamos o lugar de vítima e nos fragilizamos, mesmo admitindo que em algumas situações somos impotentes  para  agir porém não nos tornamos reféns, podemos ter controle dos nossos pensamentos e sentimentos para sermos resilientes .

O controle do ego é muito importante neste processo onde as emoções e os desejos poderão ser frustrados, projetos adiados, escolhas reestruturadas  e novos caminhos traçados. Saber lidar com emoções como a frustração, perda, angústia e a falta com um olhar crítico e maduro faz parte da trajetória na busca da conquista.

Questionar o que é perder? Perder muitas vezes é ganhar. Focar na meta percebendo que o caminho é o trajeto para alcançá-la sabendo que os objetivos traçados muitas vezes devem ser revistos e que podem falhar porém não significa que a meta será perdida.

Álex Rovira ,escritor, economista fala sobre três maneiras de enfrentar a vida:

Atitude observadora:  São pessoas que preferem deixar os outros assumirem os papéis dasua vida. São pessimistas e costumam pensar que não têm controle da sua vida.

Atitude crítica: São pessoas que reclamam de tudo e jamais assumem a culpa pelas suas dificuldades. Não têm controle da sua própria vida.

Atitude ativa: São pessoas que aprendem com tudo que os cerca. São entusiasmados e positivos, e , é claro, são capazes de manter as rédeas de sua própria vida.

“Não posso levar o mundo nos ombros se mal suporto o peso de meu casaco de inverno.”Kafka

 

 

 

 

Exercícios combatem transtornos emocionais

Como os Exercícios Podem Ajudar os Transtornis Emocionais?

Aula de Pilates no Espaço Kaizen. Todos os direitos reservados Foto: Espaço Kaizen/ HT Pilates

Praticar exercícios físicos só nos faz bem. Lembra que falamos aqui que o Pilates ajuda a prevenir e tratar a depressão? Pois é, a prática de atividades físicas pode combater vários transtornos emocionais comuns para muita gente. Melhora a autoestima, desestressa e até aumenta a libido. Olha só:

Estresse

Os exercícios servem como uma válvula de escape para o estresse do dia a dia. Eles liberam a endorfina, uma substância que regula as nossas emoções. Modalidades que envolvem a respiração e a concentração são fundamentais para o alívio de tensão e estresse.

Pânico

De acordo com o portal Minha Vida, a atividade física regular ajuda a acalmar as pessoas que sofrem ataques de pânico. A causa também é a endorfina, que tem efeito calmante no organismo.

Leia também:
Melhore a sua qualidade do sono praticando Pilates
7 motivos para praticar atividade física

Autoestima

Ver o post original 170 mais palavras

Como Pensar Magro? Gordura Emocional.

“Gordura emocional” ,podemos portanto associar a obesidade ou sobrepeso as emocões ? É muito comum ligarmos o ato de comer ao estado emocional, já que pensamento, emocão, comportamento estão interligados interferindo no resultado .amor4

A porta de entrada para o sucesso aloja em nossos pensamentos, mesmo quando se trata de dieta, pensar é o melhor remédio.

Pensar magro, as pessoas obesas têm dificuldade de pensar como uma pessoa magra. Repetem padrões de comportamento reforcados por pensamentos sabotadores que levam -as a sentirem culpa, raiva, frustracão, incompetência, baixa estima, impotência, ansiedade,depressão, tristeza, obsessão levando-as a compulsão.

Qualquer dieta razoável funciona desde que se estabeleca uma programacão mental assertiva e funcional. Ao aprenderem a pensar de forma funcional sentem-se emocionalmente equilibradas e mudam seus comportamentos perante a forma como lidam com o ato de comer.

Nos meados dos anos 60 Aaron Beck criou a terapia cognitiva baseada em estudos e pesquisas que demonstravam como componente principal o pensamento. No tratamento emocional, transtornos psiquiátricos, alimentares, tabagismo e comportamentos adictos concentrar -se na correcão dos pensamentos disfuncionais era a base da terapia de Aaron Beck, desafiando as teorias de S. Freud baseada na teoria que as doencas mentais tinham origem em temores e conflitos reprimidos o que levava anos para serem tratados, com o método de Aaron Beck os resultados além de serem breves diminuem os riscos de recaidas.

Cognicão significa,pensar,conhecer criar pensamentos críticos com relacão ao fato, ao ato de comer. Um estudo recente , na Suécia, demonstrou que indivíduos matriculados no programa de emagrecimento da terapia cognitiva emagreceram mais ou menos 8kg em 10sessões, um ano e meio após o tratamento 92% delas além de ter mantido o peso chegaram a emagrecer ainda mais, mantendo o programa da dieta.

O pensamento sempre precede o ato de comer daí a necessidade de identificarmos o que é pensamento e diferenciá-los das nossas emocões. Posso me sentir atraído pela comida, atracão é emocão, sentir fome é necessidade de comer . Podemos usar o pensamento crítico para analisarmos os pensamentos automáticos que invadem nossa mente quando o desejo ou seja as emocões vêm a tona e sabotam nosso comportamento levando-nos a comer. Através do pensamento crítico podemos minimizar a exposicão a eles ou mudar a forma de enfrentá-los .

É importante ficar atento aos estímulos:

Biológicos- fome,desejo incontrolável de comer

Mentais- pensar em alimentos,ler ou visualizar receitas e alimentos ou se imaginar, pensar em comidas.

Emocionais- sentimentos desagradáveis como raiva,tristeza,ansiedade ou agradáveis quando pensa que comer ou se continuar comendo poderá manter ou evocar sentimentos bons. Quando o sabor está agradável e insistimos em manter o desejo.Dificuldade de lidar com limites e de dizer não.

Sociais/familiares- pessoas ou situacões que o incentivam a comer. Sentimento de inadequacão com relacão aos demais.

Existe tensão no ato de comer e de não comer, reduzir a tensão é o que levará a pessoa tomar a decisão mais assertiva e optar pela dieta. O debate interno entre os pensamentos sabotadores e os pensamentos funcionais geram estas tensões. Desenvolver habilidades e ferramentas de enfrentamento para lidar com essas tensões vão nortear a meta.

Como pensar magro?

Usando técnicas de distracão.

Criando objetivos alcancáveis.Objetivos/metas

Criando rotinas.

Estando sempre alerta aos pensamentos e percebendo as emocões.

Estar focado em si mesmo, nos seus desejos e metas.

Priorizar a dieta.

Pensar em calorias deixando a quantidade em segundo plano.

Ficar no controle lembrando que o ato de comer não é automático.

Identificar os estímulos que levam ao ato de comer.

Evitar os pensamentos sabotadores.

Pensar magro é diferenciar fome de vontade de comer, trocar comida por calorias. Dessa forma poderá comer de tudo, de forma funcional.

A maioria das pessoas têm “ataques de fome” mas as pessoas magras não insistem nesses sentimentos, pensam que podem comer o que desejam depois e deixam de remoer a idéia nos seus pensamentos. Fazem permutas entre o sentimento de comer & sentimento de prazer de se ver de bem consigo mesma.

Pensar magro é saber negociar comida e sentimentos. Pensar em si mesmo como sujeito de prazer .

Mente & Cérebro . Como Desenvolver Suas Potencialidades?

images

Na antiguidade os filósofos acreditavam que as emocões estavam ligadas a alma, hoje no mundo comtemporanêo tudo acontece a nível cerebral ou seja as emocões estão ligadas no hipotálamo, no sistema límbico do cérebro.Mente e alma ou seja o que é metafísico se manifesta na mente/ alma,parte imaterial.

Mas o que é mente e cérebro? Mente é onde aloja nossas emocões,sentimentos, nossa capacidade de sensibilizar diante da vida. Cerébro é o que aloja nossa caixa craniana onde todas as conexões neurais e estruturas se interligam , é a parte “física”,material.

Acredita se hoje que a mente ou seja a alma seja uma manifestacão do corpo que seria o cérebro.

A neurociência é a ciência que estuda as bases neurais da atividade psicológica, denominda neurociência cognitiva. Com o avanco da neurociência surgiram novos questionamentos científicos com relacão das bases neurais da atividade psicológica e do cérebro.

A evidências de que a interacão entre mente e cérebro seja de mão dupla.Ou seja: a mente pode alterar a própia química do cérebro, como acontece na metidacão.(Revista ,Vida Simples.Outubro 2012/Ed. 123)

Será que todos os nossos comportamentos são determinados pela bioquímica do cérebro? Somo donos dos nossas vidas, temos livre arbítrio? Se somos comandados somente pelo cérebro qual o papel da psicologia e das relacões humanas?

É certo que o hormônio ocitocina, por exemplo, estreita a relacão do corpo e da mente pois age nas emocões, na autoconfianca, na área sexual , parto.A neurociência fornece verdades gerais sobre o funcionamento do cérebro , muitas vezes com ajuda de imagens pois ela comprova que há uma correlacão entre uma emocão e uma substância específica ligada a essa emocão no cérebro, o que mostra uma ligacão entre as as duas variáveis sem contudo ser causa e consequência.

Podemos tomar um medicamento psiquiátrico como antidepressivo, ansiolítico eles aliviam o sintoma, porém não mudam o comportamento.”Ë preciso identificar as causas da depressão ,que em geral não estão apenas em um desequilíbrio químico cerebral mas também em fatores ambientais e no histórico de vida da pessoa”,ilustra Teixeira em Filosofia do Cérebro.Podemos escanear o cérebro de alguém, como os grandes líderes, seria possível explicar suas forcas políticas,religiosas? Poderiam ter características específicas mas com certeza têm suas peculiaridades próprias de suas vivências.

O importante é acabarmos com o preconceito com relacão ao uso de medicamentos e a prática da terapia para melhorarmos nossa saúde e qualidade de vida.

A neurociência é fundamental para o avanco da psiquiatria e psicologia ou seja da ciência,” como sugeriu Vylanour Ramachandran, a heranca platônica que nos vê apenas como uma alma aprisionada no corpo tende a acabar” ,estaria aberto a interface entre a fisiologia e a psicologia.

É importante essas duas ciências caminharem juntas pois ainda a subjetividade acontece a nível de significados, não há como medir sentimentos.

%d blogueiros gostam disto: