O Bom de Viver.com.br

Início » Posts etiquetados como 'falta de energia'

Arquivo da tag: falta de energia

Como Prolongar a Beleza? Papo de Psicóloga

PeixeEsqueça seu RG e responda:

Quantos anos você tem? Como avalia a sua idade?

Hoje as pessoas não são avaliadas pela idade cronológica, o que vale é o vigor físico, mental e emocional o que não vale contar nesse ícone, beleza, o tempo dos anos vividos.

O importante é potencializar toda a energia e se avaliar de dentro para fora e não o contrário.

Integrar corpo e mente, através da meditação, relaxamento, respiração, exercícios físicos, alimentação balanceada e aproveitar o que a medicina tem evoluido para ajudar combater os radicais livres que envelhecem nosso corpo e mente. O poder prolongador e rejuvenecedor da saúde e da beleza doados pelas complexos vitamínicos, anti-oxidantes e cremes rejuvenecedores.

Noites de sonos regulares, desopilar curtindo os amigos, permitindo-se sair da rotina estressante sem culpa.

Dessestressar para manter o equilíbrio, a saúde e a juventude física e mental.Para manter a beleza.

O stress e a beleza estão diretamente ligados, ao estressar-se a pessoa detona seu sistema psicofisioimunoneuroendócrino,afinal, o stress é uma “doença psicofisiológica”que afeta o sistema imunológico abrindo portas para várias doenças. O mal stress (distress) libera toxinas, hormônios como o cortisol e adrenalina, que lançados no corpo produzem conjuntamente radicais livres, responsáveis pelo envelhecimento precoce e as atividades das células.

O stress está na “cara”, espinhas, rugas e pés de galinhas precoces, gordurinhas, obesidade, dores de cabeça constantes, falha de memória , insônia, gastrite, toda essa variedade de gotinhas de mal stress (distress) é só escutarmos nosso corpo.O corpo grita quando a mente entra em estado de stress.

Cuidar da beleza hoje é questão de saúde para envelhecermos dignamente.

Mas o que me preocupa, é atè que ponto essa busca pela beleza leva o ser humano vivenciar o mal stress, um stress da estètica.O mais grave nessa ditadura da beleza são os distúrbios alimentares como a bulimia e a anorexia que afetam os jovens levando-os até a morte e causando sofrimento para as famílias pois é um processo extremamente doloroso. .

Cleópatra, Sissi a imperatriz são exemplos disso, no campo das artes, literatura e mùsica a beleza também aparece afinal quem não conhece o velho refrão do Vinicius de Morais, em que ele canta:”Desculpe as feias, mas beleza è fundamental.”

Expressar a beleza , como um “enfeitar”-se, cuidar -se.Sedutor sim, porque não!? Mas também como fonte de prazer próprio que respeita o limite de cada um.Enfeitar-se para si primeiro e para o outro depois talvez mudaria o olhar diante dos exageros da escravidão da beleza.

Quando a beleza deixa de ocupar esse papel e passa a ser mais “externa, mais ligada ao corpo físico somente, torna-se também um fator estressor, daí começa o stress em busca da beleza.

È certo que ao cuidar de si, a pessoa trabalha sua sexualidade, auto-estima, saùde mental e física. Em meio à correria do dia a dia, se faz necessário buscar um momento para si mesma.Um momento para olhar para si mesma.

Nesse momento a pessoa è somente ela mesma ; mãe, pai , profissional ficam “congelados”, aguardando essa pessoa, que alì està se fazendo companheira e companhia de si mesma.

Pensando assim retomamos o valor da beleza,o bom stress, retomamos a nossa essência, trabalhamos a beleza física, mental, emocional .

Afinal o que nos faz distanciar do nosso corpo e do nosso “ser” é fazer da beleza e da estética, uma vilã, uma fonte geradora de stress.

Nada contra a os apelos do nosso mundo contemporanêo e a evolução da medicina estètica , das indùstrias cosmetològicas; com certeza podemos fazê-las trabalharem a nosso favor, para o nosso bem estar o que não podemos permitir è sermos escravizadas pela idèia da beleza fabricada , ou mesmo de uma busca do “paraíso perdido”, correndo compulsivamente atràs do tempo que passa como deve passar.

O encanto emana de cada um, com celulites, rugas ou não, è na dança do amor que nos superamos e nos completamos, o resto são acessòrios para tornar essa dança ainda mais bela.

Enfim, no meio de tantos estresses ruins, podemos usufruir do bom stress que os cuidados com a beleza pode nos propocionar.

Todos esses cuidados ajudam a prevenir o mal stress e promovem qualidade de vida.

Coaching de Vida

COACHING PROFISSIONAL FRACASSOCOACHING DE VIDA

É um processo focado na vida pessoal do indivíduo.

Seja no âmbito emocional,nos relacionamentos ,familiares,afetivos,interpessoais,profissionais.

O coaching de vida é indicado para clientes que desejam mudar comportamentos inassertivos,padrões repetitivos,estados emocionais limitantes,crenças sabotadoras e que buscam desenvolver habilidades emocionais equilibradas, se tornarem autoconfiantes e resilientes emocionalmente.

Síndrome de Burnout

autoestima4

Burnout (burn-out) em português significa algo como,”fogo que queima para fora completamente”.

É uma síndrome através da qual o trabalhador perde o sentido da sua relação com o trabalho, é como se a energia que move e dá vida fosse perdida, e nessa perda o sujeito chegasse ao seu extremo , sendo que nada lhe interessa mais. Acaba a motivação, como um fogo que ao queimar seca toda a energia, todo o esforço parece inútil. É uma desistência de alguém que ainda está lá , trabalhando onde não mais suporta e não pode desistir deste trabalho; é uma “desistência simbólica”.

Esse vocábulo expressa um estado de stress físico e mental que acontece, principalmente, com profissionais que lidam diretamente com o público.

É um tipo de stress direcionado, uma resposta ao stress laboral crônico, uma espécie de “rejeição. É um quadro clínico mental extremo de stress ocupacional, é uma condição e não uma doença. Ao fragilizar o sistema imunonológico, o indivíduo se torna susceptível à várias doenças.

Malasch, pesquisadora e criadora do termo Burnout, descreve a síndrome como um mal estar, uma tensão emocional crônica que só acontece no trabalho através do contato direto com as pessoas, mas que é antecipada por um quadro de stress anteriormente instalado.

O stress é uma reação do organismo diante de uma situação conflitante, nova, de alegria ou desespero, onde há uma enorme descarga de hormônios como cortisol e adrenalina, quebrando a homeostase (equilíbrio) do organismo. Uma descarga contínua desses hormônios gera o stress crônico. Ele é provocado por fatores estressores, socioeconômico-pessoal.

Pode ser agravado por predisposição genética e leva o organismo a adoecer, causando inclusive morte precoce.

Essa síndrome hoje se tornou um dos grandes problemas que estão a atingir um grande grupo de profissionais de diversas áreas, principalmente em áreas que lidam diretamente com o pùblico.

Como o stress, o burnout caracteriza-se por 3 fases:

Primeira fase:

-Exaustão Emocional, afetivamente àrido, o profissional se sente esgotado emocionalmente.

-Despersonalização- sua relação com clientes e colegas de trabalho se torna ruim,”coisificação” das relações.

Falta de envolvimento pessoal no trabalho- Distanciamento dos afazeres, desorganização, escassez no rendimento e perda da habilidade para atender os usuários e clientes.

Nessa primeira fase o profissional se mostra mal-humorado,cansado, apático, esgotado, como que saturado de tanta “dor na alma,”chegando então à insatisfação total.

Na segunda fase, as relações afetivas se tornam frias, sem evolvimento pessoal; a interação com os clientes e colegas se restringem, há um endurecimento e desvalorização do “ser”, tudo se “coisifica”. O outro é visto como objeto e não como sujeito, não há mais calor humano.

Na terceira fase o profissional já não sonha, não planeja. Há uma total desmotivação pessoal e profissional.

Essa insatisfação que antes girava em torno do trabalho agora afeta todas as áreas da vida já que o “ir e vir” ao trabalho tornou-se um problema para o estado psicofisiológico do sujeito.

Nesse caso os fatores estressores ou desencadeantes são as variáveis físicas, sociais, psicológicas e organizacionais:

-Tipo de ocupação profissional ligado diretamente com o público.

-Sobrecarga de trabalho.

-Relação profissional/empresa. Sente-se desvalorizado.

-Desestabilidade no emprego ou cargo dentro da empresa.

-Conflitos interpessoais com o grupo ou o chefe.

-Desorganização da empresa

-Falta de qualificação para o cargo- a empresa exige que o funcionário exerça uma função sem capacità-lo .

Esses fatores levam à perda de energia pela grande expectativa do indivíduo diante das demandas e crescimento profissional muitas vezes inalcansáveis.

-Reduzida realização no trabalho

-Desumanização.

-Fadiga emocional,física e mental.

-Sentimento de impotência e inutilidade.

-Falta de entusiasmo pelo trabalho.

-Baixa auto-estima.

Portanto diante desse quadro de sintomas e comportamentos podemos dizer que o profissional entrou em “estado de Burnout”.

Os cofres públicos já sentem o reflexo desse “mal estar”, urge criar novas manobras ou estratégias empresariais na relação empregado e empregador, já que a o materialismo exacerbado trouxe também consigo o distanciamento nas relações, Somos antes de tudo humanos.

É necessário que haja uma conscientização nesta área para que possam buscar medidas preventivas e mesmo tratamento médico e psicoterapêutico, já que hoje temos profissionais especializados emTerapia do Stress.

%d blogueiros gostam disto: